"Quando até já os aviões alemães caem, começamos a pôr tudo em causa". Era esta a frase que ontem se lia na imagem publicada pela Revista Activa na sua página do Facebook. Rapidamente a mesma frase, que fazia referência ao acidente do Airbus A320 da Germanwings nos Alpes Franceses, provocou uma forte onda de indignação por parte dos fãs da revista, que apontaram o dedo à publicação, acusando-a de mau gosto e falta de bom senso. O ocorrido levou Júlia Pinheiro, Publisher do Grupo Impresa, ao qual pertence a referida publicação, a fazer um pedido de desculpas. Mesmo que a imagem tenha sido retirada pouco tempo depois, a responsável disse ao Diário de Notícias que, apesar de o único objectivo ser o de assinalar a tragédia, o post foi "infeliz".

Publicidade
Publicidade

Para Júlia Pinheiro, o responsável pelo texto não teve a sensatez necessária para entender que, perante um acidente de tamanha magnitude, é perfeitamente dispensável o recurso a qualquer tipo de ironia. A apresentadora da SIC concluiu a declaração pedindo desculpa a todos.

Júlia Pinheiro é, desde final de 2012, a nova publisher das revistas femininas mensais do Grupo Impresa, acumulando esta função com a direcção de gestão e de desenvolvimento de conteúdos da SIC, e tendo ficado sob a sua alçada a revista Activa, uma das revistas femininas mais lidas em Portugal.

Recorde-se o acidente com o Airbus 320 a Sul de França que vitimou ontem 150 pessoas. O avião Airbus A320 seguia de Barcelona em direcção a Dusseldorf quando caiu na região de Digne-les-Bains, em França.

Publicidade

Segundo imagens divulgadas a meio da tarde de ontem, o avião, que caiu numa zona de neve e inacessível a veículos, desfez-se em pequenos fragmentos, sendo que a maior peça encontrada entre os destroços foi comparada ao tamanho de um carro pequeno.

No decorrer do dia de hoje, François Hollande, Angela Merkel e Mariano Rajoy prestaram uma homenagem às vítimas do acidente, ainda sem explicações. A caixa negra que regista todos os sons na cabine de comando e que foi recuperada dos escombros poderá fornecer os primeiros elementos que permitirão perceber o que se passou. Entretanto, familiares das vítimas já começaram a chegar à região, pelo que foi instalado um dispositivo de acolhimento e de apoio psicológico a poucos quilómetros do local do acidente. Além de vítimas alemãs e espanholas, o avião transportava cidadãos de nacionalidade argentina, belga, australiana, colombiana, dinamarquesa, holandesa, japonesa, israelita, marroquina, britânica e mexicana. #Famosos