Na última semana, o jornal The Guardian revelou os dados de downloads da nova plataforma de #Música: o Tidal. Surgiram, imediatamente, uma série de notícias onde diziam que a plataforma estava aquém de todas as expectativas (o chamado flop). Parece que Jay-Z, o detentor do Tidal, não gostou das notícias e aproveitou este domingo para dizer de sua justiça. "Consciência a começar em 5, 4, 3, 2...", começou Jay-Z por tweetar às 18h02 (hora portuguesa).

A contrariar as notícias que dizem que a plataforma foi um flop, o marido de Beyoncé diz que o "Tidal está a ir muito bem. Temos mais de 770 mil subscritores e estamos no mercado há menos de um mês". E continua, "a iTunes Store não foi construída num dia", acabando por falar do seu principal concorrente: "o Spotify demorou 9 anos a ter sucesso". Mr. Carter pede ainda aos seus seguidores para darem uma "oportunidade para crescermos e ficarmos melhor", dizendo ainda que a plataforma veio para ficar. Continuando a falar aos fãs, Jay-Z diz que o Tidal é feito para eles: "temos mais do que música. Temos vídeos, concertos exclusivos, bilhetes para eventos em pré-venda, desportos ao vivo!...", enumera. "O Tidal é onde os artistas podem dar mais aos seus fãs, sem intermediários", afirma.

Aliás, ser "pró-artista" é algo que Jay-Z fez questão de dizer desde que a plataforma foi lançada. Sobre as novas bandas, o cantor diz que os "artistas indie que queiram trabalhar diretamente com a plataforma, têm direito a ter 100% da sua música". O artista afirma, ainda, que todos os "artistas, escritores e produtores" ficam com "75% de royalties". Argumentando com todos aqueles que dizem que a plataforma é para os "ricos se tornarem mais ricos", Jay-Z apresenta alguns dados: "Youtube: 390 biliões de dólares; Apple: 760 biliões de dólares; Spotify: 8 biliões de dólares; Tidal: 60 milhões de dólares".

Mas o rapper quis ainda deixar uma história que lhe é próxima: "o meu primo acabou de se mudar da Nigéria para descobrir novo talento. O Tidal é uma companhia global". Continuou ainda a apresentar o serviço Tidal X: "suporta artistas ao dar-lhes uma plataforma onde podem ligar-se aos fãs mais leais", continuando com a assinatura da marca, "Tidal é para todos". Mesmo a terminar a sua argumentação, Jay-Z ainda tweetou que "as ações vão falar mais alto do que as palavras. Nós fizemos o Tidal para trazer às pessoas as melhores experiências e para apoiar os artistas a dar isso aos fãs". Para concluir os seus #TidalFacts, o compositor e produtor quis deixar uma pequena piada: "nós somos humanos (até os Daft Punk)", acabando com "nós não somos perfeitos, mas somos determinados".

Segundo os dados mais recentes, o Tidal não é uma das 700 aplicações mais descarregadas da App Store americana, nem uma das 500 da Google Play. O facto da plataforma ser paga e ter os cantores e bandas mais rentáveis do mundo, irritou alguns artistas como Lily Allen, Marina (dos Marina & The Diamonds) ou os Mumford & Sons. Um mês de subscrição custa, aos utilizadores, entre 6,99 e 13,99€. #Famosos