Mais um sábado no tanque dos tubarões que provou a criatividade dos empreendedores nacionais. A primeira ideia da noite foi a Origama. O casal lisboeta que desenvolveu a ideia diz que a mesma surgiu pelo tempo que passaram na praia em desconforto. Decidiram que era necessário criar um produto alternativo e, por isso, propõem um novo conceito de objecto que o acompanha à praia, que substitui a toalha, a espreguiçadeira e a almofada, tudo num só. Propuseram aos investidores 10% do seu negócio em troca de 100 mil euros de investimento. Todos os investidores elogiaram o produto e digladiaram-se por ele. Depois de alguma discussão e ponderação, foi Tim, Mário e Susana que conseguiram o negócio por 120 mil euros em troca de 30%.

Publicidade
Publicidade

O segundo projecto foi o Tuga Natura - Laser Adventure. É uma empresa que dinamiza eventos ao ar livre, sendo também os distribuidores europeus de equipamentos laser tag. Actualmente, estão a desenvolver um espaço temático no Barreiro, Tuga Natura, onde se pode praticar laser tag, modelismo e pistas de orientação. Para além disto, a empresa ainda oferece serviço de alimentação. Os tubarões Tim e Mário disparam as pistolas de laser para testar o produto. Carlos, o dono, pediu 35 mil euros em troca de 10% da empresa, contudo, os tubarões não viram potencial de investimento na ideia.

Aqua Vere foi a terceira ideia a ser apresentada aos tubarões. Foram 5 amigos do Porto que encontraram uma forma inesperada para simplificar a vida das casas de banho. A ideia inovadora que os empreendedores apresentaram foi uma torneira, que dispensa sabonete, em simultâneo com a água corrente e secagem.

Publicidade

Pediram 30 mil euros por 25% do produto patenteado, mas não tiveram muito sucesso porque não tinham o plano de #Negócios bem definido e não conseguiram provar a viabilidade do produto. Mário ofereceu 50 mil euros pela patente e o grupo decidiu aceitar.

Seguiu-se José Oliveira, que apresentou uma ideia que queria tirar da sua garagem. A Smart Trailer é um atrelado sem rodas para transportar animais, carga ou campismo. O atrelado adapta-se a qualquer carro, não paga portagem e é o que mais peso leva: 80 quilos. Diz que em 5 anos vendeu 58 atrelados, informação que não agradou os investidores. Pediu 60 mil euros por 20% da empresa, e diz que quer investir esse capital para ter um espaço próprio para construção do produto. Por não verem escala no negócio, os tubarões optaram todos por não investir.

Mita foi a empresa seguinte, apresentada por uma mãe empreendedora. Esta mãe procurou alternativas às fraldas existentes no mercado porque a sua filha tinha alergia a todas as opções comercializadas.

Publicidade

Devido a esta necessidade, criou uma fralda de algodão, que não é descartável e é inspirada nas tradicionais fraldas de pano. É uma fralda sem químicos e, por isso, reduz a possibilidade de alergia aos componentes existentes nas fraldas descartáveis. Os tubarões deram os parabéns pela ideia criativa, mas alertaram que a mesma não tem potencial comercial porque é um negócio de excepção. A mãe pediu 20 mil por 15%, mas não foi esta a proposta que seguiu. Tim ofereceu 30 mil por 50% do negócio, proposta que foi aceite pela empreendedora. #Televisão