Simone Fragoso disse no programa de Sábado à noite da SIC, 'Shark Tank', que todo o dinheiro que ganha com o negócio que apresentou é para a sua preparação olímpica: "os 3,5 euros [que ganho com cada touca vendida] ficam para a minha preparação olímpica". Contudo, de acordo com informação revelada pelo site "dioguinho", a atleta paralímpica estará suspensa do Programa de Preparação Paralímpica Rio 2016 do Comité Paralímpico de Portugal e ainda de todas as provas oficiais. Um processo instaurado pela Autoridade Antidopagem de Portugal (ADOP) é o que estará na base da suspensão de Simone Fragoso.

Segundo declarações de uma fonte ligada à Federação ao site "dioguinho", "a atleta foi suspensa durante um ano devido a um processo instaurado pela ADOP".

Publicidade
Publicidade

Em causará estará "um assunto obviamente relacionado com substâncias proibidas, e após o levantamento da suspensão, se os resultados atingirem os mínimos exigidos, deverá ser integrada", acrescentou a fonte. O Comité Paralímpico de Portugal já confirmou que a atleta está fora do programa de Preparação Rio 2016.

Todavia, a atleta paralímpica disse à revista 'TV Mais' que para continuar a sua "preparação para os Jogos Olímpicos de 2016, que vão decorrer no Rio de Janeiro", precisa de verbas. "As deslocações para os treinos ultrapassam a bolsa que me é atribuída, daí ter-me aventurado neste negócio", refere. Simone Fragoso convenceu os cinco tubarões da versão portuguesa de 'Shark Tank' - João Rafael Koehler, Mário Ferreira, Tim Vieira, Susana Sequeira e Miguel Ferreira - com a sua empresa de venda de toalhas e toucas, conseguindo fechar negócio com todos.

Publicidade

O programa estreou no dia 22 de Março, na SIC. Os cinco investidores escolhidos para integrar a primeira temporada do formato português são: Tim Vieira, administrador executivo da Special Edition Holding; Mário Ferreira, presidente executivo da Douro Azul; Miguel Ribeiro Ferreira, presidente do grupo Fonte Viva, Susana Sequeira, fundadora e administradora da MSTF Partners; e João Rafael Koehler, administrador executivo da Colquímica. #Entretenimento #Negócios #Televisão