Daniel Carapeto, ou simplesmente 'O Estúpido', é um humorista de notável qualidade. Os trocadilhos são com ele, mas desengane-se quem pensa que ele fica por aí. Estive à conversa (virtual, obviamente) com ele e o resultado... esse... bem, segue abaixo.

P: Recentemente, Rui Ramos escreveu um artigo muito polémico no site 'Observador', que gerou uma grande onda de indignação entre os comediantes (e não só), em que afirmou que os humoristas, em Portugal, são todos de esquerda. Constatou que ao situar-se à esquerda, um humorista está a garantir que nunca dará a ninguém o direito de se sentir ofendido. Nas tuas publicações e actuações tens especial cuidado para não ferir susceptibilidades?

R: Todos os humoristas já tiveram de levar com alguém ofendido, seja com o que fosse, sejam de esquerda ou de direita.

Publicidade
Publicidade

E é uma realidade que a maioria dos comediantes é de esquerda, mas eu não gosto muito de generalizações porque isso era estar a ser um atrasado mental. Como os ciganos. Em relação a mim, os meus cuidados para não ferir susceptibilidades são absolutamente nenhuns. Para mim o que conta é ter piada ou não, o resto é secundário. Um dos maiores mistérios para mim é o tema futebol. Há pessoas que perdem toda e qualquer racionalidade quando se faz uma piada, por mais simples que seja, sobre o seu clube. Uns não admitem simplesmente, outros acham que eu tenho de ser isento, como se fosse um jornalista, outros ainda acham que eu tenho de ter quotas mínimas obrigatórias, como as mulheres nos cargos de direcção. Por exemplo, se hoje fiz duas piadas sobre o Porto, há sempre alguém que comenta "Quero ver se amanhã vais falar sobre o teu clube e tal...".

Facto curioso: tive muitos amigos/conhecidos meus a mandar vir comigo por ter feito piadas sobre este ou aquele assunto mais sensível, que em Janeiro mudaram a foto de perfil para uma a dizer #JeSuisCharlie.

Publicidade

P: Actualmente concilias a tua carreira de comediante de stand up com o teu curso de Engenharia de Telecomunicações e Informática, no ISCTE, em Lisboa. Quais foram as maiores dificuldades que sentiste na área do stand up, ainda para mais sendo estúpido?

R: Acho que uma das maiores dificuldades no stand-up é arranjar sítio para actuar em que não nos queiram chular. E também os amigos que nos vêm contar anedotas para nós usarmos em palco, porque são uns chatos e uns ignorantes, que desconhecem o significado da frase "da minha autoria".

P: Assumes-te - e passo a citar - como a "pior pessoa do mundo a estabelecer conversa de ocasião". Porquê?

R: Porque é a verdade. Sou absolutamente horrível em conversa de ocasião. Como quando é preciso ligar a alguém porque faz anos, ou quando eu próprio faço anos e me ligam e depois perguntam sempre quantos faço só para meter conversa, apesar de já saberem quantos são. Tenho sempre uma péssima performance nestes momentos, que são regularmente pautados por silêncios embaraçosos, mais ainda se a pessoa do outro lado também não for boa em conversa de ocasião.

Publicidade

Para combater isto, passei a dar os parabéns às pessoas por SMS ou por Facebook, caso seja impossível dar-lhes ao vivo, e passei a preparar-me de véspera para o meu dia de anos, ensaiando algumas respostas já preparadas para as perguntas que acabam inevitavelmente por surgir. Ah, e também passei a só andar de elevador sozinho, para combater a mítica conversa do tempo com a vizinhança. #Entretenimento