Ainda se lembram daquele humorista que foi até ao estabelecimento prisional de Évora causar enorme frenesim entre os apoiantes de Sócrates? Pois é, muito não sabem mas foi João Carlos Cunha quem foi até lá dizer umas coisas deveras engraçadas. No entanto, nem todos acharam assim tanta piada. Segue abaixo a continuação da entrevista.

5. A que personalidades já rejeitaste hoje a chamada? E porquê?

R: Hoje ainda não desliguei o telefone a ninguém e muitas vezes quando rejeito é só para não pagar roaming. Um gajo atende uma chamada em Paris e são logo não sei quantos períodos. Em todo o caso, posso-te dizer que hoje já falei com o Zé (Sócrates).

Publicidade
Publicidade

Estava um bocado desiludido por esta campanha que é alvo e que, na minha opinião, tem como principal objetivo apagar da História tudo o que de bom ele fez pelo país. Magalhães, carros elétricos, e assim sucessivamente. Os últimos dias do Zé na prisão têm sido muito penosos, duros e solitários. Ele já nem corre. Eu gostava de saber qual era o português que aceitava de bom grado, depois de ter sido o Primeiro-Ministro de Portugal, hoje ter que bater as suas próprias punh****. Quantas vezes é que o Silva Pereira foi visitá-lo em tantos meses? 3! 3 p****tas são alguma coisa para um homem que se vê privado da liberdade?! A Canavilhas?! Nem aparece! Amigos de Péniche! LOL! Percebeste?! Pénis. Peniche.

6. Das duas, uma: preferias ser o Ricardo Salgado ou fazer o papel do João Baião no Mar Salgado?

R: M**** de pergunta! Por me identificar com a dimensão, Mar Salgado.

Publicidade

7. Após o grande sucesso do teu programa, na SIC Radical, "O Humorista", para quando um novo projeto televisivo?

R: Está para breve. Vai estrear ainda este ano e será num canal português. Apenas posso adiantar isto. Logo que seja possível, os meus agentes lançam um press release feito como deve ser.

8. Quais são as tuas ambições para o futuro? E onde te podemos ver atuar nos próximos anos?

R: Em termos de ambições pessoais, gostava muito de acabar com a fome no mundo. Não sei se será possível, mas é uma missão que me levará a subir montanhas e ir à lua se disso depender a felicidade de uma criança. Mesmo que a única coisa que essa criança tem para dar é um sorriso luminoso entre as moscas.

Profissionalmente, gostava de chegar aos 100 milhões de fãs na minha página de Facebook e esperar que se concretize a minha participação num dos próximos projetos do Manoel de Oliveira.

Em termos de espetáculos, só tenho feito festas privadas. Como sabes, lancei um conceito único no mundo: as Pop-Up Private Parties e tenho estado com uma agenda que não permite pensar em festivais e isso.

Publicidade

9. Quando é que percebeste que o teu lugar era num palco a, passo a citar, "ensinar o que é O Humor e levá-lo onde faz mais falta"?

R: Quando ouves uma coisa uma vez, duvidas. Quando ouves a mesma coisa duas vezes, continuas a duvidar. Isto assim assim até à centésima ou assim. A partir daí, quando ouves a mesma coisa todos os dias e mais de 100 vezes, começas a pensar que, se calhar, aquela coisa é mesmo a coisa que as pessoas procuram quando não querem a mesma coisa. Acima das mil vezes já começas a ficar mais seguro e a acreditar que aquela coisa pode ser aquilo que deves fazer. Quando chegou ao milhão acreditei que devia fazer.

10. Para finalizar, queres deixar uma mensagem à nação portuguesa? #Entretenimento

R: Quando os vossos dias se fizerem negros, sem luz ou esperança que vos faça levantar da cama e acreditar num futuro melhor, sem guerra, sem fome e com Humor, não se preocupem que Eu estou cá! #podemfazerlikes!