O alegado autor do crime que ocorreu no Sábado, dia 29, na Quinta do Conde, em Sesimbra, é avô de Liliana Antunes, que foi concorrente da última edição da “Casa dos Segredos”. O homem de 77 anos terá alvejado três pessoas, das quais duas eram suas vizinhas. Após o #Crime, o suspeito barricou-se em casa e tentou pôr termo à vida, mas acabou por ser detido pela GNR. Foi depois transportado para o hospital com ferimentos ligeiros. O motivo do crime terá sido o cão de uma das vítimas.

Rogério Coelho, avô da dançarina e antiga concorrente da “Casa dos Segredos”, ainda se encontra internado, mas será ouvido em tribunal quando sair do hospital.

Publicidade
Publicidade

A ex-concorrente, em declarações ao “Correio da Manhã”, disse estar destroçada com o que aconteceu, mas defende o avô.

A jovem afirmou que o avô é como se fosse um pai e que não é o monstro que todos dizem ser. Segundo a bailarina, há vários anos que o avô recebia ameaças da parte dos vizinhos e recentemente até terá sido espancado. Desde que prestou estas declarações à comunicação social, Liliana tem sido duramente criticada e atacada nas redes sociais através de inúmeros comentários.

Rogério Coelho terá cometido o crime por causa de um rottweiler, que pertencia à primeira das três vítimas mortais. De acordo com os moradores locais, já há muito tempo que o alegado homicida tinha conflitos com o dono do cão, de quem era vizinho.

As desavenças entre Rogério e a vítima eram, portanto, do conhecimento dos vizinhos, os quais já tinham presenciado, noutras ocasiões, discussões entre os dois.

Publicidade

Ontem, porém, o conflito que opunha os dois homens teve um desfecho trágico.

O alegado autor do crime disparou do interior de sua casa e atingiu o vizinho António, que estava junto do carro. Quando o filho foi em seu auxílio, acabou também por ser alvejado. Alguns moradores, ao ouvirem os tiros e verem as vítimas no chão, chamaram a GNR. Quando os militares chegaram ao local, o homem terá voltado a disparar e um dos agentes foi baleado, acabando por morrer.

O alegado autor do triplo homicídio tentou suicidar-se antes de ser detido pela polícia, mas sofreu apenas ferimentos ligeiros. Foi internado no Hospital de Setúbal e, segundo fonte da GNR, será ouvido em interrogatório judicial quando receber alta hospitalar. Após o interrogatório, serão aplicadas eventuais medidas de coacção.

A primeira vítima mortal era agente da PSP e motorista do gabinete do Primeiro-ministro. O filho deste polícia e um dos militares da GNR que se deslocaram ao local do crime foram as outras vítimas mortais. #Famosos #Violência