Chegou ao fim nos Estados Unidos a primeira temporada da série "Mr.Robot". Do género thriller psicológico, a história é escrita por Sam Esmail, que originalmente teve a ideia de fazer um filme. Após escrever noventa páginas, Sam verificou que não tinha passado do primeiro ato, mas que, sem dúvida, tinha em mãos o início de todo o desenvolvimento para uma série de #Televisão. O tempo foi crucial e, após várias reuniões, foi realizada uma pré-estreia, com um episódio-piloto visto por 2,6 milhões de pessoas em diferentes plataformas.

As audiências levaram a revista norte-americana "The Hollywood Reporter" a afirmar que a segunda temporada já estava garantida desde a pré-estreia.

Publicidade
Publicidade

Segundo a empresa de informações Nielsen, durante os dez episódios da primeira temporada "Mr. Robot" teve uma audiência média de 2,8 milhões de espectadores e, de acordo com a revista americana "Variety", foi vista por quase 18 milhões de visualizadores em todas as plataformas. 

Com uma abordagem totalmente realista, "Mr. Robot" tem vindo a conquistar excelentes críticas da imprensa, tendo sido considerada pela revista Forbes como "o melhor espetáculo do verão e no caminho certo para ser o clássico moderno do ano". 

O grande impacto da trama está em retratar o sistema da sociedade moderna corporativista de uma forma bastante realista e sem rodeios. Os episódios da primeira temporada mostram que todos podemos corroer o próprio sistema em que vivemos.

Com um argumento muito atual, "Mr. Robot" conta a história de Elliot Alderson (interpretado por Rami Malek), um engenheiro de segurança cibernética em Nova Iorque durante o dia - e vigilante hacker à noite.

Publicidade

O jovem sofre de um distúrbio anti-social que o torna frio e distante. Contudo, ele acredita que pode conectar-se com as pessoas entrando nos seus computadores (hackeando-as) e de certa forma protegê-las de pessoas que as possam prejudicar. O drama começa quando Elliot é recrutado por uma organização sombria, a fsociety, liderada por Mr. Robot (Christian Slater), para derrubar uma das maiores corporações do mundo, a E Corp (chamada por Elliot de Evil Corp). A série tem sido comparada a clássicos como "Matrix", e Elliot a um Batman dos tempos modernos.

O inesperado acaba por revelar-se um sucesso e prémios como o SXSW Audience Award conquistam-se com trabalho de toda a equipa e do elenco que, além de Rami Malek e Christian Slater, tem Portia Doubleday (como  Angela Moss), Carly Chaikin (a jovem Darlene), Martin Wallstrom (Tyron Wellick). A realização fica a cargo do dinamarquês Niels Arden Oplev ("Millennium" e  "Game of silence").  #Séries