Um dos grandes nomes da ficção nacional, com vastas participações em #Televisão e #Cinema, em telenovelas ou comédia, faleceu hoje (14 Março 2016). Trata-se de Nicolau Breyner. A notícia começou por ser avançada pela SIC Notícias, no entanto já foi confirmado o óbito. Um ataque cardíaco estará na origem da morte, que terá ocorrido durante a noite, na sua casa em Lisboa. O alerta terá sido dado por funcionários da Nicolau Breyner Academia, que estranharam a ausência do actor.

Natural de Serpa, com 75 anos (nascido em a 30 de julho de 1940) João Nicolau de Melo Breyner Moreira Lopes, actor, realizador e produtor, deixa-nos uma vasta obra nas artes.

Publicidade
Publicidade

Em 2005, Jorge Sampaio conferiu-lhe o Grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito. De momento encontrava-se em gravações da futura novela da TVI “A Impostora”.

Após deixar o curso de Direito, por apelo do canto ingressou no Conservatório Nacional, primeiro em canto e depois em teatro. Em 1959, ainda estudante de teatro, estreou-se nos palcos na peça “Leonor Telles” de Marcelino Mesquita, a convite do seu professor Francisco Carlos Lopes Ribeiro. Após essa pequena participação integrou teatros de revista do Parque Mayer, onde foi várias vezes cabeça de cartaz.

Dos mais de 50 projectos televisivos onde participou, destaca-se a primeira novela portuguesa “Vila Faia”. Em 1961 fez parte do elenco do filme “Raça” de Augusto Fraga, o primeiro passo dado no cinema. No âmbito televisivo também de salientar os programas de humor como “Nicolau no País das Maravilhas”, onde existia a rábula Sr.

Publicidade

Feliz e Sr. Contente, em que participaria Herman José, que depois viria a vigar como humorista. A par da representação concebeu ainda as sitcoms “Eu Show Nico” e “Euronico”.

Também no grande ecrã as suas participações chegaram a quase 50, tendo trabalhado com cineastas de diversas gerações. Recebeu 3 Globos de Ouro pelas suas prestações no cinema para Melhor Actor em 2003 com “Os Imortais” e em 2004 com “Kiss Me” e “O Milagre Segundo Salomé.

Não só no campo das artes deu passos: em 1995 tentou a entrada na política como presidente da Câmara Municipal de Serpa, mas não foi eleito.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já fez um comunicado em que manifestou o seu grande desgosto pela perda do seu amigo, com quem teria estado há apenas dois dias. Salientou ainda a sua grande carreira, vasta e rica. Várias são as personalidades das artes e colegas que têm vindo a manifestar o seu pesar por esta perda. #Famosos