No dia em que Portugal comemorou o aniversário dos 42 anos de libertação do Estado Novo, a SIC emitiu o segundo episódio do programa "E se fosse consigo?", onde explorou o tema do excesso de peso. No episódio desta segunda-feira, os actores da escola ACT chamaram a atenção dos espectadores para a forma como lidam com as pessoas que têm peso a mais e quais os preconceitos associados a estas pessoas. 

Conceição Lino começou o episódio a perguntar se alguma vez os espectadores teriam tirado algum tempo para pensar no sofrimento que causam às outras pessoas quando fazem algum comentários em relação ao facto de terem excesso de peso.

Publicidade
Publicidade

Com o desenvolvimento do episódio foi possível constatar que, ao realizar certos comentários, as pessoas raramente pensam no efeito que têm na vida de uma pessoa "gordinha", como foi tratada a actriz que representava o papel de adolescente gorda. 

O preconceito em relação ao peso pode surgir de qualquer lado, de acordo com as pessoas que deram o seu testemunho ao programa enquanto "gordas" ou "ex-gordas". As mulheres e homens que participaram neste episódio relataram que se sentiram humilhadas por parte da família, de amigos, e até mesmo da parte de médicos

De acordo com Alexandra, uma das testemunhas, a sua médica de família, chegou a perguntar-lhe "a senhora quer que a sua filha seja uma baleia como você?" O programa revelou também uma cultura de falta de compaixão e cuidado por parte de uma parte dos médicos (de família), que, quando confrontados pelos seus pacientes com excesso de peso, queixando-se de determinados sintomas, reagem atribuindo o problema ao peso: "feche a boca e ande (...) ou emagreça que isso passa", segundo uma testemunha e apoiado por Ana Domingos, médica que está a tentar desenvolver um medicamento para travar a obesidade. 

Segundo Ana Domingos, a má alimentação e o estilo de vida têm grande impacto na constituição corporal de uma pessoa, mas a genética é um dos principais factores a condicionar o aumento ou manutenção do peso.

Publicidade

A doutora Domingos disse que Jeffrey Michael Friedman, cientista norte-americano, descobriu que a obesidade está ligada à leptina, célula que avisa o cérebro que tem energia suficiente e já não precisa de comer. Assim sendo, a maioria das pessoas que têm excesso de peso sofre de um distúrbio no qual a leptina não avisa o cérebro da quantidade de energia/gordura no corpo. 

Os gordos sofrem no trabalho, na escola e são muitas vezes vistos como "porcos e preguiçosos", de acordo com uma das testemunhas.  #Televisão #Causas