Os britânicos votaram maioritariamente a favor da saída da União Europeia e o chamado Brexit vai ter consequências negativas imprevisíveis. Mas já se sabe que complicará as contas dos produtores da série Game of Thrones (A Guerra dos Tronos).

O Brexit ganhou com 51,9% dos votos no referendo realizado no Reino Unido, nesta quinta-feira (23 de junho) e está a provocar ondas de tensão e de dúvida por toda a Europa. É certo que o velho continente não mais será igual e tudo vai também mudar na própria Grã-Bretanha.

Mas até os fãs da série Game of Thrones têm motivos para se preocuparem. É que as filmagens do grande sucesso da HBO poderão complicar-se sem os fundos da UE que têm ajudado a custear as produções das cenas realizadas em solo europeu.

Publicidade
Publicidade

O jornal inglês The Telegraph refere que o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional tem custeado parte das despesas da produção com as filmagens feitas na Irlanda do Norte, em Espanha, na Croácia e em Malta.

Na Irlanda do Norte têm sido filmadas algumas das cenas mais intensas e dramáticas, nomeadamente a famosa "A Batalha dos Bastardos", exibida no episódio 9 da sexta temporada da série.

Nem só Game of Thrones se preocupa com o Brexit...

Com o Brexit, o Reino Unido deixa de receber fundos europeus, nomeadamente através do mecanismo de apoio ao desenvolvimento regional.

E as repercussões poderão ir muito para lá de Game of Thrones, já que os fundos europeus também financiam vários #Filmes britânicos e #Séries de televisão.

O The Telegraph sublinha que a Grã-Bretanha recebeu, nos últimos sete anos, 32 milhões de libras (mais de 41 milhões de euros) da UE como apoio às produções de cinema e de televisão.

Publicidade

Filmes como "Brookyln", com Saoirse Ronan e Emory Cohen, e "Carol", com Cate Blanchett e Rooney Mara, ambos nomeados para os Óscars de 2015, receberam apoios dos fundos europeus.

O Brexit pode ter efeitos tão negativos para o cinema britânico que vários actores de renome, como Benedict Cumberbatch, Keira Knightley e Helena Bonham Carter assinaram, antes do referendo, uma carta em defesa da permanência da Grã-Bretanha na UE. #Política Internacional