O melhor jogador do mundo é referenciado como tendo fugido aos impostos, através de empresas com sede em “offshore”. A informação é veiculada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas, após uma investigação baseada em documentos confidenciais. Segundo os jornalistas de investigação, #Cristiano Ronaldo terá usado, desde o ano de 2009, empresas com sede nas Ilhas Virgens Britânicas para fugir aos impostos espanhóis.

O jornal espanhol “El Confidencial” revela que o jogador do Real de Madrid recorreu, durante seis anos, a uma empresa “offshore” para depositar 74,8 milhões de euros resultantes de contratos publicitários, através de uma empresa sedeada na Irlanda.

Publicidade
Publicidade

O mesmo jornal escreve que Cristiano Ronaldo terá pago impostos sobre menos de quatro por cento dos valores recebidos. O mesmo jornal cita documentos tornados públicos pelo “Football Leaks” para afirmar que os contratos publicitários e de direitos de imagem celebrados entre Cristiano Ronaldo e grandes marcas foram feitos através de uma empresa com sede na Irlanda, declarando ao fisco espanhol montantes muito abaixo dos que realmente terá recebido.

Por sua vez, a SIC Notícias noticiou esta sexta-feira, 2 de Dezembro, que o fisco espanhol quer apurar se o jogador madeirense terá desenvolvido um esquema para evitar o pagamento de impostos.

De acordo com o jornal português Expresso, associado do Consórcio Internacional de Jornalistas, também o treinador José Mourinho terá declarado, quando estava no #Real Madrid, rendimentos relacionados com direitos de imagem, através de empresas “offshore”.

Publicidade

No entanto, para evitar problemas, o “special one” acertou contas com o fisco espanhol, pagando os impostos devidos.

Face às notícias publicadas, a empresa “Gestifute”, de Jorge Mendes, que gere as carreiras dos dois portugueses, emitiu uma declaração pública na qual garante que Cristiano Ronaldo e José Mourinho nunca estiveram envolvidos em qualquer processo relacionado com delito fiscal, tendo as suas contribuições fiscais regularizadas, em Espanha e no Reino Unido. Na mesma declaração, a Gestifute ameaça recorrer aos tribunais contra qualquer insinuação ou acusação sobre os seus agenciados. #Futebol