#Stephen Fry, 59 anos, é um comediante britânico, conhecido pelo seu trabalho na televisão, que está a ser investigado pela polícia irlandesa por, alegadamente, ter feito comentários durante uma entrevista, num programa de televisão, que foram considerados blasfemadores. Segundo o jornal The Guardian, em 2015, o actor e humorista britânico Stephen Fry foi questionado pelo apresentador Gay Byrne, no programa "The Meaning of Life", da radiotelevisão irlandesa RTE, sobre o que afirmaria a Deus quando chegasse ao céu, depois de morrer.

O actor, que já assumiu não acreditar em Deus e que já se declarou contra a #Religião ordenada, respondeu que questionaria Deus sobre o seu atrevimento em criar um mundo onde existe tanta pobreza - porque esta não é da responsabilidade do Homem-, o que, para além de ser maligno, não é correto.

Publicidade
Publicidade

Fry afirmou que não tinha razões para respeitar um Deus obstinado, maquiavélico e estúpido, que gerou um mundo que está cheio de injustiça e dor.

Fry fez ainda, no seguimento da entrevista, uma referência aos deuses gregos e declarou que estes não se apresentavam como seres que têm conhecimento de tudo, infinitamente sábios e absolutamente benevolentes. O humorista acrescentou também que o Deus que criou este universo, partindo do princípio que ele foi criado por um Deus, é claramente um excêntrico, um completo demente, que trata só dos seus interesses.

O excerto da entrevista foi publicado no YouTube e conta com mais de sete milhões de visualizações. Veja o vídeo.

De acordo com o jornal irlandês The Independent, após a emissão do programa, em Fevereiro de 2015, um telespectador dirigiu-se às autoridades e apresentou queixa contra o actor por blasfémia.

Publicidade

Fry gerou controvérsia e, nesse mesmo ano, revelou à BBC que ficou "absolutamente espantado" com a forma como as pessoas reagiram às suas afirmações, porque no seu pensamento não mencionou nenhuma religião em particular e não disse nada insultuoso em relação a nenhuma religião, e se o fez, não era essa a sua intenção.

A polícia da Irlanda está a investigar se Fry violou a lei que a República da Irlanda aprovou em 2009 que proíbe "qualquer assunto que seja grosseiramente abusivo ou insultuoso no que diz respeito a assuntos tidos como sagrados ou respeitados por qualquer religião, ofendendo um número substancial de membros dessa religião".

Segundo a BBC, até agora ainda ninguém foi julgado ao abrigo da lei anteriormente referida, cuja pena prevê multas até 25 mil euros.