Um jovem condutor de 18 anos perdeu a vida na manhã deste sábado, 7 de Abril, na sequência do despiste do automóvel onde seguia sozinho. O rapaz tinha estado a conviver com amigos e regressava a casa. No entanto, por razões que estão a ser investigadas, terá perdido o controlo do automóvel, entrou em despiste e chocou com grande violência no muro de uma moradia. Os socorristas tentaram salvar a vida da vítima, realizando manobras de reanimação, mas sem sucesso.

Desconhecem-se as causas do trágico #Acidente que ceifou a vida a Stephan Silva, de 18 anos, na Estrada Nacional 235 (EN235) em Oiã, no concelho de Oliveira do Bairro.

Também não há confirmação sobre a hora exacta em que ocorreu o acidente. Sabe-se, apenas, que o alerta chegou ao Comando Distrital das Operações de Socorro (CDOS) da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) às 7h26. Terá sido um morador que ao passar no local se apercebeu da existência de um automóvel, um Renault Clio, contra um muro e gradeamento em ferro de uma moradia, bastante destruído. No interior do veículo encontrava-se uma vítima em estado aparentemente grave.

Quando os #Bombeiros Voluntários de Oliveira do Bairro chegaram depararam-se com Stephan Silva em paragem cardiorrespiratória, tendo iniciado a realização de manobras de reanimação. Uma operação auxiliada pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Instituto Nacional de Emergência Médica (#INEM) afecta ao Centro Hospitalar do Baixo Vouga.

Vídeos destacados del día

No entanto, a vítima não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer durante o transporte para o Hospital Infante D. Pedro, na cidade de Aveiro. As causas e em que circunstâncias ocorreu o trágico acidente estão a ser apuradas pelo Núcleo de Investigação Criminal a Acidentes de Viação do Destacamento de Trânsito da Guarda Nacional Republicana. No entanto, o piso molhado devido à chuva poderá ter contribuído para que o condutor tivesse perdido o controlo da viatura, numa zona de cruzamento.

Stephan Silva, aluno da Escola Profissional de Aveiro e que trabalhava num café na freguesia de Oiã, propriedade do pai, teria estado à noite com amigos e tudo indica que estaria a regressar a casa quando ocorreu o acidente que lhe tirou a vida. Uma vez que não existem testemunhas oculares e ninguém se apercebeu do violento choque da viatura contra o gradeamento da moradia, as autoridades desconhecem a hora exacta em que terá ocorrido o acidente.