Lobo ibérico, garrano e cervo em risco devido ao abate massivo de um bosque no interior da Serra da Cabreira, nos concelhos de Vieira do Minho e Montalegre. A zona, batizada como "Bosque Lírio," é conhecida por ainda albergar o pinheiro-silvestre que está em perigo de extinção. A situação atinge contornos dramáticos porque a área, mais de 35 hectares, viu milhares de espécies da floresta marcadas para abate.

O movimento "SOS Serra da Cabreira" já juntou mais de 1500 pessoas que através de e-mails têm questionado o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ICNB) que, e segundo Rui França, porta voz do movimento, "também desconhece a situação".

"Mas também as Câmaras de Vieira do Minho e de Montalegre, assim como as associações de baldios, ninguém sabe como começou esta marcação para abate feita à machadada", diz Rui França.

Para o dia 26 de abril está marcado um protesto deste grupo que desde há 30 dias para cá, com documentação devidamente fundamentada, pede a intervenção do ICNB, organismo este que, e segundo Rui França, terá dado ordem administrativa aos vigilantes da natureza para o abate mas que ninguém assume.

"É uma zona rara no país e com imensos pinheiros silvestres, espécie em vias de extinção. Essencialmente estão também marcadas espécies resinosas, O abate vai afetar severamente outras espécies, nomeadamente os selvagens lobos ibéricos, cervos e garranos que ali habitam", refere Rui França que espera "bom senso" do organismo.

Os melhores vídeos do dia

No facebook do movimento SOS Cabreira são visíveis várias publicações de aderentes informando da resposta ao e-mails de Rogério Rodrigues, diretor do Departamento de Conservação da Natureza e Floresta do Norte, pedindo "localização geográfica" da situação. "Para podermos avaliar com maior urgência a situação, agradecemos se nos podem remeter a localização cartográfica da área em apreço, ou as respetivas coordenadas geográficas", escreve o diretor.

Situação esta que para Rui França é estranha. "O diretor fala em aparente desconhecimento, mas o vigilante recebeu, alegadamente, ordens do ICNB para marcar uma área gigante de floresta para abate", refere Rui França, indicando que a área abrange a freguesia de Caniçó no concelho de Montalegre e Campos, já no concelho de Vieira do Minho.

A Blasting News tentou obter resposta junto do ICNB, mas sem sucesso.