Anúncio
Anúncio

Foi uma autêntica Tragédia aquela que foi vivida ao final da noite de quinta-feira na localidade de Faíscas, na freguesia de Azaredes, concelho de Montemor-o-Velho. Paulo, de 41 anos, emigrante no Luxemburgo mas a viver em Portugal com os pais há três meses, matou os progenitores e a avó a tiro de caçadeira, depois de se ter barricado no interior da habitação. Mais tarde, também ele colocou termo à vida.

Tudo aconteceu entre as 20:00 e as 21:00 de quinta-feira. Paulo Cruz estava na habitação com os progenitores, a avó e três familiares, entre os quais uma criança. Era até então um saudável convívio de final de tarde, quando a mãe, de 64 anos, terá dito uma frase que provocou mal estar ao filho.

Anúncio

Conta a prima do homicida, em declarações à TVI, que o suspeito terá dito que iriam "todos ter um final triste" e, num primeiro momento, agrediu o pai.

De seguida, o homem fechou-se no quarto e quando pensavam que tudo ficaria mais calmo, a situação avançou para o final trágico. Paulo regressou ao espaço da casa onde estavam todos e disparou sobre o pai, de 70 anos, que segundo a mesma familiar "era o alvo". Nessa altura, a prima e a família fugiram da casa e já não assistiram às mortes da mãe e da avó do homicida, de 91 anos.

Foram os familiares a dar o alerta às autoridades, que montaram um cerco policial em torno da habitação, que durou mais de sete horas. Pelas 05:00 de sexta-feira, os operacionais da GNR invadiram a casa, onde encontraram os quatro cadáveres. Paulo tinha-se suicidado.

O homem era emigrante no Luxemburgo, mas tinha regressado à terra dos pais há cerca de três meses, depois de ter sido despedido da empresa onde trabalhava como motorista do transporte de passageiros.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Paulo estaria a atravessar uma depressão.

Antes do "massacre", escreveu uma mensagem algo confusa na página do Facebook. "Agradeço a OGBL por tudo o que me fizeram....corruptos de primeira ordem", pode ler-se na mensagem, referindo-se a um sindicato luxemburguês. Mais à frente, escreve "espero que a minha pseudo-filha a ajudem", numa referência a um processo de paternidade em que estaria envolvido. A mensagem termina com uma enigma: "As secretas da UE são da pior espécie!!!".