Anúncio
Anúncio

No dia em que completa 106 invernos estreia uma curta, que deseja não ser a última. Os últimos tempos tem-nos passado sobretudo em casa, mas hoje o dia é diferente. Hoje faz anos, mais de um século, e vai ao Cinema ver a estreia da sua mais recente curta-metragem. Manoel de Oliveira nasceu no Porto, quando Portugal ainda era um Reino. O mais velho realizador do mundo em actividade nasceu durante o reinado de D. Manuel II.

Passou a sua infância enquanto o país vivia a Primeira República.

Tinha oito anos quando começou a Primeira Guerra Mundial, aos 20 entrou para a escola de actores, ainda Salazar ocupava o cargo de Ministro das Finanças. Viveu durante o Estado Novo, a Segunda Grande Guerra e a Guerra do Ultramar.

Advertisement

Viveu a Revolução dos Cravos, viu Eusébio jogar, viu Figo e vê Cristiano Ronaldo. Viveu - de forma mais próxima ou afastada - todos os momentos importantes do século XX. Se alguém pudesse contar o último século da história de Portugal, seria Manoel de Oliveira, que aos 106 ambiciona ainda realizar mais curtas-metragens.

Foi em 1931 que realizou a primeira ainda muda e a preto e branco. Era sobre o Douro que o viu nascer. Douro, Faina Fluvial estreou em Lisboa e suscitou a admiração da crítica estrangeira e um profundo desagrado nacional. Dois anos mais tarde, e mantendo a paixão pela representação, participa naquele que foi o segundo filme sonoro português: A Canção de Lisboa. Em 1956, filmou pela primeira vez a cores o filme O Pintor e a Cidade. A nova e grande aventura de filmar a cores exigia conhecimentos que hoje não exige.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

Para isso Manoel de Oliveira foi estudar na Alemanha de Leste.

Ser realizador num país de regime ditatorial e onde a censura vigorava, nem sempre era pacífico. Um dos diálogos presente no filme Acto de Primavera de 1963 foi censurado, o que valeu ao cineasta 10 dias de estadia nos calabouços da PIDE. Longe da censura, a cores e com som, estreia O Velho do Restelo. Aos 106 anos de idade continua no activo, o que faz de Manoel de Oliveira o mais velho cineasta em actividade.

No Rivoli, serão também exibidas mais três obras do realizador, "Douro, Faina Fluvial", de 1931, o documentário "O Pintor e a Cidade", de 1956, e "Painéis de São Vicente de Fora", de 2010. Manoel de Oliveira viveu parte importante da História de Portugal, e tornou-se ele próprio parte importante dessa história.