Ontem fiz seis anos e os meus pais separaram-se. Não sei porque se separam os adultos quando há tantas coisas boas para nos unir.

A minha mãe é bonita como uma loja "Toys R Us", um mundo inteiro para descobrir no que ela me olha. Quando chora - e ontem chorou tanto - as lágrimas sabem a sopa fria, odeio sopa, mas seria capaz de comer todos os dias um prato bem fundo se a minha mãe parasse de chorar para sempre.

Há tantas coisas que parecem valer por tudo até ao momento em que chega algo que realmente vale por tudo.

Publicidade
Publicidade

Depois de o meu pai sair a casa ficou vazia, deu-me um beijo na testa, disse "porta-te bem, respeita a tua mãe", e eu disse "está bem", mas só queria dizer "fica que nós precisamos de ti". A minha mãe nesse momento não disse nada, olhou para a janela e sei que chorou sem que eu visse - os adultos choram com medo de chorar, como se temessem o que os separa dos animais. É nestas alturas que eu sei que vale a pena estudar, para saber estas coisas que aprendi na aula de ciências e perceber porque é que vale a pena ser humano.

A crónica diária de Pedro Chagas Freitas
A crónica diária de Pedro Chagas Freitas

Há-de haver sempre um humano sempre que houver um humano capaz de chorar.

A casa estranha, um silêncio malcheiroso espalhado pelo corredor, eu e a mamã sem saber se abraçar se fugir, o amor deve ser isto, percebo agora: uma sensação estranha de não saber se abraçar se fugir.

"Havemos de sobreviver": quando a nossa mãe nos diz isto é certo que temos de a ajudar a sobreviver. Ninguém dá muito valor a sobreviver, as pessoas dizem que é normal, que tem de ser, que é a vida - mas não é: sobreviver é a coisa mais importante do mundo, valha-me a setôra Carla e as suas aulas de biologia, estudasse o mundo tanto como eu e metade dos problemas da Terra acabariam.

Publicidade

A ciência foi criada pelo Homem para ajudar o Homem, por mais que muitos Homens teimem em não o ver.

O sofá ainda tem as marcas dos pés do papá, aqueles pés grandes com aqueles sapatos pretos que ele engraxava sempre, todos os dias, antes de ir para o trabalho, a mamã dizia "não faças isso que me estragas o sofá", ele pedia desculpa, sorria com aquele sorriso gigante (amo esse teu sorriso, meu pai, prometes que quando me vieres buscar aos fins de semana o trazes contigo para eu me lembrar de como era acordar com ele e com as cócegas que me faziam feliz?), e passado quatro ou cinco minutos já lá estavam outra vez os malvados dos pés, aposto que a mamã dava tudo para os ter outra vez ali, naquele sítio, e ele também, que eu bem sei que ainda gosta dela, os adultos separam-se quando há tanto ainda para os juntar - mas já tinha dito isto, não já?

Amanhã vou para a escola e sei que já serei filho de pais separados, como o Manel da Rua da Igreja, talvez lhe pergunte como é, talvez ele me diga que não é nada de especial, que até é fixe e tal, mas para já deixem-me fechar os olhos e imaginar que está tudo na mesma, assim a minha mãe pare de chorar aqui no quarto ao lado.

Que nunca se separe quem se ama: esta não aprendi em ciências, mas também não é preciso ser cientista nenhum para o formular.

Publicidade

Leia tudo e assista ao vídeo