10

O Festival Meo Marés vivas 2017, que se realiza na praia do Cabedelo, em Vila Nova de Gaia, já abriu portas para três dias de muita Música. O primeiro dia não esgotou e teve como público principal uma camada mais jovem, o que não é de estranhar pelo cartaz deste dia do festival.

Foi de forma bem descontraída que arrancaram os Concertos do primeiro dia do festival Meo Marés Vivas 2017. Pelas 17h no Palco Santa Casa Os Quatro e Meia revelaram-se uma agradável surpresa. Vestidos a rigor (fato e gravata) e com um novo trabalho na mão, “Pontos nos Is”, presentearam-nos com uma atuação bem animada, em que se ouviram elementos desde o Pop Rock até ao fado, e acompanhados por uma percussão bem animada.

De seguida subiram ao palco os Portuenses Souls of Fire, que voltaram à estrada com os seus contagiantes temas de reggae, conseguindo com facilidade colocar o público a dançar desde os primeiros acordes. Ouvimos um pouco dos temas mais marcantes desta banda, que já conta com 15 anos de carreira: “Não tem conta”, “História”, Souls of Rastaman” e sem esquecer o novo single “Sei lá”.

O calor intenso que se fez sentir neste final de tarde de sexta-feira não impediu que os milhares de jovens se concentrassem junto ao palco Meo para assistir ao concerto de Diogo Piçarra. Ao som de “Dois” e “Já não falamos”, Diogo Piçarra iniciou uma atuação segura e sempre a interagir com os seus fãs desde o primeiro momento. Com um público bastante emotivo, Diogo Piçarra retribuiu com todos os hits esperados: “Só Existo”, “História”, “Entre as estrelas” (com participação Jimmy P).

Os melhores vídeos do dia

Para o final ficou o superconhecido “Dialeto”, que foi o momento mais efusivo de todos, com o público a cantar juntamente com Diogo Piçarra, fechando assim em alta.

Num outro registo, e à hora marcada, Tom Chaplin entra em cena com “I Remember You” e “Silenced By The Night” e percebeu-se desde logo que este artista tem já um carinho enorme por parte do público português. Tom Chaplin trouxe-nos um punhado de canções em que o que mais se destacou foram, sem dúvida, os temas dos Keane. Ninguém se importou em ouvir temas como “ Somewhere only we know “ e “ See it so clear” com a fantástica paisagem do rio Douro ao lado. O simpático Tom encantou a noite do festival.

Bastille ao rubro!

O que se seguiu foi o melhor concerto do primeiro dia. Os britânicos Bastille, carregados de uma energia contagiante, conseguiram desde o início até ao fim uma fantástica resposta do público. Bastou a entrada em palco com “Send them off” para se poder perceber que os Bastille estão numa forma invejável e que todo o seu espetáculo visual resulta em cheio em ambientes de festival.

Não faltaram os temas como “Laura Palmer”, Glory”,“Pompeii” e até o momento mais explosivo e dançante da noite com “Off the Night”. Dan Smith (aniversariante neste preciso dia, com direito a bolo de aniversário e o público todo a cantar os parabéns) e os restantes elementos da banda saíram felizes numa noite em que deram tudo em palco e o público do Marés vivas respondeu em grande.

Agir pôs o público a saltar

Era uma da manhã e pensava-se que após o concerto dos Bastille o ambiente poderia acalmar, mas não foi isso que aconteceu. Agir tinha ainda a “casa” cheia e um público à sua espera para entreter e foi exatamente isso que aconteceu. Os sucessos do jovem e da excelente banda que o acompanha interpretaram temas como “Parte-me o pescoço”, “Como ela é bela” e “Make Up”. Público maioritariamente mais novo, que sabia as letras do início ao fim, fez com que o primeiro dia do Marés vivas 2017 fechasse com um ambiente bem mexido e alegre.

Hoje (sábado) a festa continua com Scorpions, Expensive Soul, Amor Electro, entre muitos outros!