Publicidade
Publicidade

O jovem titular do FC Porto, Ruben Neves, estreou-se a marcar no seu primeiro jogo na Primeira Liga. Com 17 anos, o menino de Lourosa está a bater recordes de juventude. É o mais jovem titular de sempre do FCP, e é também o mais novo português a jogar na Champions, batendo… CR7. É uma boa notícia para o futebol de formação português. Mas será um fogacho, um oásis no deserto, ou uma tendência para ficar?

Ruben é, por estes dias, o sonho de milhares de jovens por esse país fora. Mais do que CR7, que está no topo dos topos, Ruben está no topo da pirâmide nacional.

Publicidade

Milhares de jovens aspiram a ser futebolistas profissionais. Esquecem-se que é mais difícil ser futebolista que ser médico: há menos vagas. Façamos contas "por alto". A Primeira Liga tem 18 clubes. Em média, o plantel de cada clube terá 22 jogadores. São cerca de… 400 vagas. Se somarmos os da Segunda Liga (24 clubes x 22 jogadores), temos 530 + 400 = um pouco mais de 1000 vagas. É preciso ter sorte, talento, determinação, tudo, para lá chegar. Mas quantos desses conseguem chegar lá acima, como está a fazer Ruben Neves? Não há vagas para todos. 

 E nem importa que venham estrangeiros: um "miúdo" com talento para jogar na Primeira Liga pode emigrar para muitas ligas profissionais por esse mundo.

Nunca como agora houve tantos portugueses a jogar fora. O modelo de negócio dos clubes portugueses, actualmente, insere-se na mesma pirâmide. Reflexo do futebol sem fronteiras e globalizado. Os três clubes "grandes" compram barato para valorizar e vender caro aos clubes grandes e/ou ricos da Europa. E o que sai mais barato? Apostar na formação ou comprar jogadores sul-americanos? Os três "grandes" não querem perder dinheiro e certamente terão as suas razões de mercado para comprar fora.

Mas num momento em que o país se adapta a viver com menos, basta que haja uma época em que se vende menos (aos ricos) para as contas deixarem de bater certo.

Publicidade
Os melhores vídeos do dia

Existindo a necessidade de baixar salários, é provável que a capacidade de atracção de sul-americanos diminua (ainda que eles saibam que os "grandes" são bons trampolins para clubes maiores). E se isso acontecer, o jogador de formação lá estará à espera de oportunidade!

É até surpreendente que não seja o Sporting a lançar um Ruben Neves, uma vez que os leões têm, reconhecidamente, uma das maiores academias do mundo, e dado o discurso de contenção e "austeridade inteligente" do seu presidente Bruno de Carvalho.

Em todo o caso, como sempre, o FC Porto trabalha e evolui sempre de forma mais discreta e silenciosa que os seus rivais de Lisboa - e tanto mais surpreendente, sendo estrangeiro o treinador portista, e portugueses os seus congéneres da capital.

Assim, a bem das famílias que têm jovens a trabalhar nas academias, das mães que sonham ser D. Dolores, e a bem da qualidade da Selecção Nacional de Futebol, temos razões para acreditar que é uma tendência que vem para ficar - e que mais Rubens Neves virão a caminho.