Depois da Sony e da Emirates, mais três marcas de renome mundial cortaram a relação que mantinham com a FIFA. Desta vez foi a Castrol, a Continental e a Johnson & Johnson a darem por terminados os contratos de patrocínio que mantinham com o órgão que gere o #Futebol mundial. Um golpe que pode ser fatal nas pretensões de Joseph Blatter de ser eleito por mais um mandato. Já há outros candidatos a quererem destronar o suíço que ocupa o cargo desde 1998.

O rompimento por parte destas cinco marcas com a Federação Internacional de Futebol representa também um duro golpe nas finanças do organismo que, a cada quatro anos, recebe dos seus parceiros comerciais, mais de 1 bilião de euros.

Apesar de nenhuma das marcas ter dito abertamente que se afasta da FIFA devido aos escândalos surgidos face a casos de corrupção, a verdade é que a quebra da parceria das diferentes marcas, quase que sucessivas umas às outras, indica que a FIFA, tal como está hoje, pode ter deixado de ser um elo interessante para os parceiros comerciais.

Durante o último ano a FIFA viu por diversas vezes o seu nome associado a esquemas de corrupção, principalmente no que diz respeito à atribuição de sedes para a organização dos próximos Campeonatos do Mundo, à Rússia em 2018, e ao Catar em 2022.

Apesar das saídas destas marcas, que há muito eram parceiras deste órgão do futebol, o organismo conseguiu estabelecer uma ligação ao gigante da energia russo Gazprom, que será o patrocinador principal do Campeonato do Mundo em 2018 que se disputará precisamente na Rússia.

Os melhores vídeos do dia

Tudo isto numa altura em que se aproximam as eleições da FIFA. O dia 29 de Janeiro é a data limite para a recepção de candidaturas e o actual presidente, Sepp Blatter já informou que vai ser candidato. Mas não está só. Jérôme Champagne e o ex-futebolista David Ginola, ambos franceses, já manifestaram que serão opositores de Blatter. A estes juntam-se ainda Ali Bin Al Hussein, da Jordânia, e Mino Raiola, empresário de jogadores como Zlatan Ibrahimovic e Mário Balotelli.

As eleições para a presidência da FIFA terão lugar a 29 de Maio de 2015 e sem dúvida que os parceiros comerciais que os candidatos apresentarão serão a mais valia que poderá fazer a diferença.