A atenção de Cristiano Ronaldo está agora voltada para o campeonato do mundo que se realiza na Rússia. Mas antes mesmo daquela que foi primeira exibição da seleção nacional no Mundial, em que Ronaldo marcou três golos contra a Espanha, foi noticiado em toda a imprensa internacional que o melhor do mundo terá uma pena suspensa de dois anos referentes aos crimes fiscais de 2011 e 2014. Além disso, terá ainda de pagar 18,8 milhões de euros ao Fisco espanhol. Em causa estarão os direitos de imagem do jogador. O caso não é novo, tendo sido descoberto por uma rede internacional de órgãos de comunicação social, em que constam alguns espanhóis, no âmbito da investigação Football Leaks.

A jogar pelo Real Madrid desde 2009, Cristiano Ronaldo é considerado residente espanhol desde 1 de janeiro de 2010. Na base da acusação em que o melhor do mundo se via envolvido havia destaque para os direitos de imagem do jogador português, uma acusação da prática de quatro crimes de fraude fiscal que somam 14,7 milhões de euros de impostos em falta.

No ano passado Cristiano Ronaldo recusou chegar a acordo com o Fisco, enviando mesmo uma carta ao Tribunal onde estava a ser julgado o processo, dizendo que a acusação se encontrava baseada “na utilização arbitrária de normas contrárias ao Direito Tributário”, conforme noticiou o Correio da Manhã na altura.

Contudo, no início de junho, a imprensa espanhola noticiava que o internacional português se encontrava perto de chegar a acordo com o fisco espanhol.

Os melhores vídeos do dia

Toda esta situação em que o craque se vê envolvido era já para estar resolvida, contudo, a moção de censura contra o governo de Rajoy obrigou a que o mesmo não ficasse concluído. Agora será o recém-empossado governo de Pedro Sánchez a aprovar o acordo, faltando a assinatura daquele que for escolhido como próximo diretor da Agência Tributária espanhola.

De acordo com o Jornal de Notícias, "Cristiano Ronaldo terá reconhecido quatro crimes fiscais entre 2011 e 2014, uma pena de dois anos de prisão (seis meses por cada um dos delitos) que não implica cumprimento, mas sim o pagamento de 18,8 milhões de euros."

Cristiano Ronaldo era assim acusado de ter criado empresas na Irlanda e nas Ilhas Virgens britânicas para defraudar o fisco espanhol em 14.768.897 euros. Contudo, e quando foi ouvido, em julho do ano passado, o internacional português disse nunca ter ocultado rendimentos e nem ter nenhuma intenção de fugir aos impostos.