Cristiano Ronaldo decidiu sair do Real Madrid: o jogador português, de 33 anos, deixou o clube espanhol após nove anos de ligação. Rumo à Juventus, restam ainda algumas dúvidas sobre o que motivou esta decisão de Cristiano Ronaldo. Depois de nove temporadas de grande sucesso, o internacional português decidiu ir embora. E multiplicam-se as possíveis razões para ter saído do Real Madrid, quando ele mesmo já havia referido, no passado, que gostaria de terminar a carreira no clube da capital espanhola. Agora, o treinador da seleção do País de Gales Ryan Giggs oferece uma explicação para o sucedido: a obsessão de Ronaldo com Lionel Messi.

Giggs: Cristiano Ronaldo 'obcecado' em ser melhor que Messi'

Ryan Giggs, treinador da seleção do País de Gales e antigo companheiro de Cristiano no Manchester United, comentou a saída do jogador do Real Madrid na estação de televisão britânica ITV.

Giggs é também selecionador e amigo do galês Gareth Bale, colega de Ronaldo no Real Madrid, o que o pode ter ajudado a formar opinião neste caso. Para Giggs, este movimento de Cristiano deve-se a Lionel Messi.

Nos últimos anos, Messi e Cristiano Ronaldo esticaram a rivalidade, com confrontos diretos em todas as competições. Ronaldo conseguiu empatar Messi no número de Bolas de Ouro e tem mais sucesso nas provas europeias. Enquanto isso, Messi soma mais troféus coletivos, golos e assistências, nestes nove anos de convivência na mesma Liga. Por isso, Giggs garante que Cristiano está "obcecado em ser melhor do que Messi" e explicou a sua opinião: "Ele tem o argumento de ter triunfado na Inglaterra, na Espanha e com a seleção de Portugal. E vai dizer: 'vou fazê-lo agora na Itália', talvez esse seja o seu argumento quando as pessoas debatem se é ele ou Messi o melhor".

Os melhores vídeos do dia

A verdade é que Cristiano ganhou com o Manchester United, Real Madrid, e foi campeão da Europa com Portugal. Enquanto isso, Messi tem uma carreira de sucesso inigualável no Barcelona. O argentino, de 31 anos, está no clube catalão desde criança e, seja por fidelidade ou por conforto, a verdade é que nunca tentou a sua sorte fora do Barcelona. Com a seleção, foi campeão do mundo sub-20, foi campeão olímpico, mas perdeu as três finais que jogou com a seleção sénior (duas da Copa América e uma do Campeonato do Mundo).

Cristiano poderia ter aqui, na diversidade e nos diferentes desafios, um factor que o diferenciasse, na opinião de Ryan Giggs.

Razões económicas na decisão de Cristiano

Cristiano Ronaldo sai do Real Madrid depois de um braço de ferro com o clube espanhol pela questão do salário. O jogador estava a ganhar 21 milhões de euros anuais, bastante abaixo dos 40 milhões de Leo Messi, o seu rival individual. Cristiano queria estar mais perto dos valores do argentino e a Juventus subiu a parada para os 30 milhões, num contrato de mais quatro anos, ou seja, que o levará até aos 37 anos.

Clube e atleta tiveram que chegar a acordo, até porque o Real Madrid tinha o jogador com um contrato inquebrável até 2022, se assim o desejasse. Com uma cláusula de rescisão de mil milhões de euros, apenas o acordo permitiu esta saída por valores muito abaixo. Na despedida, Ronaldo admitiu que pediu ao Real Madrid para ir embora, e que o clube acedeu. Abre-se agora uma nova jornada para o capitão da seleção portuguesa, que vai defender as cores da Juventus. Os italianos pagaram 100 milhões de euros pelo passe do atacante, que assinou um contrato de quatro anos.

Há ainda a ter em conta que Ronaldo teve um problema fiscal em Espanha. O jogador foi acusado de defraudar as finanças espanholas no valor de 14,7 milhões de euros, não só por não declarar todos os direitos de imagem, mas também por ter desviado alguns dos seus rendimentos para paraísos fiscais. O processo em tribunal foi muito longo, e deixou o jogador desagradado e com vontade de sair de Espanha, de acordo com o jornal A Bola.

Na Itália, vai encontrar uma situação bem diferente. De acordo com o jornal Globo, existe um teto máximo de imposto para as finanças italianas: são 100 mil euros por ano, para as receitas fora do país. Ou seja, o jogador não pagará mais do que esse valor sobre todos os seus rendimentos fora da Itália (publicidade, imóveis e empresas).