Os principais factores que motivam estes resultados são o colapso do Grupo Espírito Santo, a avaliação do BCE e ainda a redução da taxa de IRC. Por outro lado, nem tudo é negativo, pois a Caixa Geral de Depósitos apresentou um prejuízo a rondar os 350 milhões de euros em 2014. Este resultado revela um melhoramento em cerca de 40% dadas as perdas registadas em 2013, que tinham um valor de 580 milhões. Estes valores foram revelados nesta quarta-feira à tarde pela instituição chefiada por José de Matos, no sítio da Internet da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal news

Esta queda nos prejuízos da CGD foi alcançada em virtude do aumento conseguido nos proveitos bancários, no abaixamento dos custos operacionais e ainda derivado à diminuição das provisões.

A juntar a isto, há que ter em conta a alienação da Caixa Seguros, que valeu cerca de 290 milhões de euros.

Estes resultados anuais anulam os lucros de 56 milhões que o banco do Estado conseguiu nos três primeiros trimestres do ano que findou. Nos últimos três meses de 2014, a Caixa foi obrigada a reforçar-se de forma adicional, por via da avaliação feita à qualidade dos activos orientada pelo Banco Central Europeu.

No final de 2014, a CGD registou 40% do total de provisões, o que totaliza 950 milhões, retrocedendo desta forma 16%, ao contrário do que aconteceu no final de 2013. É preciso também ter em linha de conta que, no segundo e no terceiro trimestre, ocorreram perdas por causa do que aconteceu com o GES, e ainda a anulação dos impostos resultantes da diminuição da taxa do IRC, com um impacto de 85 milhões.

Os melhores vídeos do dia

Sobre os impactos excepcionais, os proveitos bancários continuam a crescer, dado que a margem financeira cresceu quase 990 milhões de euros, o que equivale adizer que subiu 16%, "o que tendo em conta a redução das taxas da Euribor, é positivo". Já os custos operacionais também caíram para 1.327 milhões (5,5%). Algo que reflecte "que a astúcia da nova estratégia operacional tem sido eficaz". Também o gasto com pessoal diminuiu em cerca de 10%. Assim sendo, com a ascensão do produto bancário e a diminuição nos custos operacionais, o resultado total da exploração cifrou-se nos 411 milhões de euros.