A RTP assinou ontem, dia 14, um contrato, no qual estão envolvidos quatro bancos portugueses: o BPI, o CGD, o Montepio e o Novo Banco. Trata-se de um contrato de financiamento, cujo valor chegaaté aos 80 milhões de euros. Gonçalo Reis,presidente do Conselho de Administração da RTP,mostrou-se confiante com esta ação, declarando àAgência Lusaque acredita que o contrato trará consigo um enquadramento financeiro estável.

Além disso, tal permitirá ainda uma reestruturação da dívida da estação televisiva.

Este acordo irá permitir que a RTP,com o financiamento prestado pelos quatro bancos mencionados anteriormente, reconfigure a dívida que tem neste momento, graçasao produto Eurogreen e a linhas de curto prazo. A própriaRTPsalienta que a assinatura deste contrato vai permitir não só reembolsar os seus empréstimos (o que permitirá a redução dos custos financeiros da estação televisiva), mas também vai possibilitar uma melhoria dos seus resultados operacionais.

ODinheiro Vivorefere que o contrato em questão está dividido em três porções: na primeira estarão em causa20 milhões de euros a curto prazo, na segunda serão40 milhões de euros em 10 anos, por fim, na terceira estarão20 milhões de euros em 15 anos. De acordo com Gonçalo Reis, em declarações àLusa, os principais bancos de Portugal já se haviam juntado numa operação de financiamento para aRTP,há mais de 20 anos atrás.

O próprio Gonçalo Reis mostra-se satisfeito com o selar do acordo que diz que irá não só trazer uma maior previsibilidade à RTP, mas também aumentar a credibilização da empresajunto da banca.

Esta notícia apenas vem confirmar algo que Gonçalo Reis havia mencionado durante o mês de junho do presente ano. Opresidente do Conselho de Administração da RTPhavia referido que a estação televisiva tinha em mãos uma proposta que associaria quatro bancos portugueses, proposta essa que pretenderia reconfigurar a sua dívida bancária em moldes mais atrativos.

Contudo, nessa altura essa possibilidade de acordo estava a ser analisada pelaAgência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo