Petit, em conferência de imprensa sobre a antevisão ao duelo com o Sporting em Alvalade, afirmou que o Boavista, "com humildade e saber sofrer sem bola", pode espreitar uma oportunidade e tentar vencer o jogo. É um discurso habitual de qualquer treinador, mesmo que na actualidade sejam "equipas e contextos completamente diferentes. O Sporting é candidato ao título e o Boavista veio do Campeonato Nacional de Seniores", concluiu o técnico axadrezado. Este é daqueles jogos que qualquer jogador quer jogar, que qualquer equipa tem o sonho de surpreender e derrotar o leão na sua própria casa, mas para os homens que vestem a camisola de xadrez, este jogo costuma ser mais um pesadelo.

Desde 1936, ano do primeiro confronto em casa do Sporting (vitória por 9-1 para os leoninos), até ao dia de hoje, que o Boavista só por uma ocasião logrou vencer o seu adversário, no estádio deste.

Foi em 1976, já lá vão 39 anos! O Sporting, treinado por Juca, não atravessava o melhor período da sua história, ao invés do Boavista, que por esta altura começava a ser Boavistão. Os axadrezados eram comandados por um trio que deixa enorme saudade: José Maria Pedroto, António Morais e Hernâni Gonçalves. Nessa época, 1975/76, o Boavista lutou até final pelo título perdido para o Benfica por apenas 2 pontos.

O jogo em si foi, dizem as crónicas, bem disputado, equilibrado, com ligeiro ascendente dos visitantes. No Sporting pontificavam Vítor Damas, Augusto Inácio e Manuel Fernandes, enquanto que o Boavista tinha como estrelas Mário João, Manuel Barbosa, João Alves, o luvas pretas, e Salvador, o caçador do leão, autor do golo que deu a vitória por 1-0. O avançado brasileiro, carioca de gema, formado no Flu, ia na quarta de oito épocas de xadrez ao peito.

Os melhores vídeos do dia

Era uma avançado canhoto, que apreciava deambular da esquerda para o centro, onde, amiúde, aparecia para fazer o gosto ao pé. Foi assim naquela tarde de Janeiro de 1976, a única vez em que o leão não reinou perante o Boavista. Para os axadrezados, que vinham de uma goleada à CUF por 9-0, este foi o 15.º jogo de invencibilidade no campeonato, que seria quebrada logo no jogo seguinte, com uma derrota no Bessa frente ao Benfica por 1-4.

Agora, como referiu Petit, a realidade é bem diferente. O Sporting é um dos melhores dos últimos anos. Tem um orçamento incomensuravelmente superior ao do Boavista, que, vindo dos campeonatos amadores, está a mostrar que a garra, algo que não se compra com orçamentos, é, muitas vezes, o suficiente para surpreender e vencer. Neste domingo, dia 19 de abril, leões e panteras voltam a defrontar-se, num clássico com quase 80 anos de história.