Anúncio
Anúncio

O Sporting Clube de Portugal tem sido alvo, nos últimos dias, de um site que revela documentos confidenciais do clube. Entre estes documentos está mesmo o contrato, e todas as suas cláusulas, de Jorge Jesus (ex-treinador do Sport Lisboa e Benfica). Para além deste documento também foram revelados outros de grande importância, tais como dos contratos celebrados entre o Sporting e o Recreativo de Caála (clube angolano), que é presidido por António Mosquito que por sua vez é empresário de Bruno Paulista e Franco Cervi (este último acabou mesmo por assinar pelo rival Benfica) e as tentativas de contratação dos futebolistas Mitroglou (que rumou à Luz) e Danilo Pereira (que assinou pelo Futebol Clube do Porto).

Anúncio

Outros documentos foram sendo revelados ao longo desta semana e hoje, 1 de Outubro, foi revelado um outro documento sobre André Carrillo. Desta feita o documento mostra todas as condições que o jogador internacional pelo Peru se recusou a assinar antes do jogo Sporting – Nacional da Madeira, o que ditou o afastamento do jogador das convocatórias dos jogos até ao momento. Entre as cláusulas propostas encontra-se o impedimento de assinar por outro qualquer clube português até 30 de Junho de 2021, sem o pagamento mínimo de 25 milhões de euros. O referido documento mostra ainda que Carrillo teria a oportunidade de sair na próxima janela de transferências por um valor mínimo de 15 milhões de euros (clubes estrangeiros) ou 40 milhões de euros (clubes nacionais).

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

A veracidade destes documentos ainda não foi totalmente apurada mas Bruno de Carvalho já exigiu intervenção policial para encontrar responsáveis pela divulgação destes documentos, sem nunca se pronunciar sobre a autenticidade dos referidos documentos publicados. A verdade é que até o FC Porto e Benfica entraram em cena com a divulgação de documentos sobre os negócios de Ola John e Imbula, o que o torna cada vez mais o site mais temido do futebol português. Os 3 grandes clubes de Portugal terão que ter a capacidade para contornar esta situação de forma a evitar eventuais destabilizações dentro das próprias instituições.