Anúncio
Anúncio

Que a Arábia Saudita é um dos países onde as mulheres têm menos direitos já todos sabemos. As mulheres sofrem inúmeras restrições: não poder conduzir, não poder viajar e ter de usar véu em público são apenas três exemplos. O que não sabíamos é que o país pretendia organizar uma edição dos jogos olímpicos segregada por sexo. A ideia era separar atletas masculinos e femininos.

Em declarações a um jornal francês, o príncipe Fahad bin Jalawi al-Saud - um consultor para o Comité Olímpico da Arábia Saudita - sugeriu que os jogos olímpicos fossem disputados em zonas geográficas diferentes consoante o sexo dos participantes. Os homens ficariam sediados na Arábia Saudita e as mulheres no Barém. O príncipe afirmou que a sociedade árabe é "muito conservadora" e que tem dificuldade em aceitar que as mulheres possam competir desportivamente.

Anúncio

No país é proibido que as mulheres vistam roupas desportivas em público, o que tem dificultado a presença da equipa feminina em determinados eventos desportivos.

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, já divulgou um comunicado no qual explica que será negada permissão à Arábia Saudita para organizar um evento olímpico se não forem cumpridas as regras relativas à discriminação. O COI não permite qualquer tipo de discriminação e Thomas Bach declarou que todos os países terão que assinar um compromisso de "não-discriminação" para poderem ser a sede das olimpíadas.

A primeira, e única, vez que as mulheres da Arábia Saudita participaram nos Jogos Olímpicos foi no ano de 2012, em Londres.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

As atletas participantes representaram as modalidades de judo e atletismo. Contudo, as reacções foram bastante negativas no país, sendo que os meios de comunicação social árabes apelidaram-nas de "prostitutas" por terem quebrado as regras da doutrina islâmica. A sua participação só foi possível porque o COI pressionou o governo saudita.

No país o desporto é completamente proibido para as mulheres. A disciplina de educação física não consta nos currículos escolares das escolas públicas para raparigas e as mulheres são proibidas de participar em eventos desportivos. Em Dezembro de 2014, uma mulher saudita foi presa por assistir a um jogo de futebol disfarçada de homem.