Se no Ocidente o atentado ocorrido na passada quarta-feira contra a redacção do Charlie Hebdo, que casou 12 vítimas mortais, continua na ordem do dia, em África, mais concretamente na Nigéria, os terroristas do Boko Haram voltaram a carga. No sábado, dia 10, o povo nigeriano viveu, uma vez mais, momentos de verdadeiro terror. Uma criança do sexo feminino, que segundo relatos locais não teria mais de 10 anos, fez-se explodir num mercado com bastantes pessoas daquele país. Tudo terá acontecido às 12h40 locais, menos uma em Portugal Continental.

De acordo com declarações de fonte policial à Agência Reuters, a menina chegou ao mercado, localizado na cidade de Maiduguri, com vários explosivos à volta do seu corpo, mas ao que tudo indica não fazia ideia do que transportava consigo.

O atentado, que ocorreu quando se procedia ao controlo das entradas naquele local, causou a morte de 20 pessoas e feriu ainda cerca de 18. Testemunhas da Cruz Vermelha presentes no mercado adiantaram que o detector de metais deu sinal "de qualquer coisa" quando a menina foi revistada, sendo que a explosão terá ocorrido antes que a menina "pudesse ser isolada".

Ainda que o ataque não tenha sido reivindicado, há fortes suspeitas de que o grupo terrorista Boko Haram, responsável pelo sequestro de dezenas de mulheres e crianças, tenha planeado este ataque. De resto, o atentado ao "Monday Market" não seria o primeiro levado a cabo por aquele grupo. Recorde-se que, em junho do ano passado, ocorreu o primeiro atentado com bombistas suicidas do sexo feminino e, desde essa altura, vários ataques deste género já foram executados pelo Boko Haram.

Os melhores vídeos do dia

Já na última sexta-feira, os islamitas radicais nigerianos tomaram a cidade de Baga, depois de terem protagonizado mais um banho de sangue com as forças militares responsáveis pela defesa daquela cidade. Estima-se que tenham perdido a vida mais de 2000 pessoas. Com a tomada de Baga, o Boko Haram tem agora em seu poder cerca de 70% do território localizado no Nordeste da Nigéria, perto à fronteira com o Chade.