Num derradeiro esforço para chegar a acordo com os credores europeus e evitar a saída do Euro, o governo grego deverá pedir uma extensão do empréstimo. O pedido será entregue antes de sexta-feira, disseram à Associated Press fontes do governo de Atenas, que frisaram que esse pedido era apenas para o empréstimo e não para o programa de resgate. A decisão segue-se ao ultimato feito pelos ministros das finanças do Eurogrupo depois da reunião de segunda-feira ter falhado no objectivo de encontrar uma solução para o colapso grego. Os governantes disseram que a Grécia deve pedir uma extensão do programa até ao final da semana para que seja convocada uma nova reunião.

Não é ainda claro se este pedido dos gregos se encaixará nos requisitos dos credores. Recorde-se que o recém-eleito governo de esquerda ganhou as eleições do mês passado com a promessa de renegociar a dívida. O acordo que os gregos haviam assinado previa um resgate de 240 mil milhões de euros, num empréstimo dos parceiros europeus e do Fundo Monetário Internacional, com a condição de que Atenas aplicasse medidas de austeridade.

O tempo para que as duas partes cheguem a acordo está a acabar. A parte europeia do programa de resgate termina no dia 28 de Fevereiro. O primeiro-ministro Alexis Tsipras disse que país não quer comprometer as negociações com os credores europeus e está a trabalhar para "um acordo honesto e benéfico para ambas as partes".

O falhanço das negociações de segunda-feira fez aumentar os receios de uma saída dos helénicos do Euro, apesar de os investidores ainda acreditarem numa solução.

Os melhores vídeos do dia

Atenas insiste que não pode pedir a continuação de um programa que considera errado e pediu um "acordo-ponte" que assegure que o país não enfrenta problemas de liquidez enquanto negoceia um novo acordo. "A salvação não chegará com uma extensão do erro", disse Tsipras durante um discurso no parlamento. "Não temos pressa e não nos vamos comprometer. Estamos, contudo, a trabalhar para encontrarmos um acordo honrado e benéfico para ambos - um acordo sem a austeridade que destruiu a Grécia nos últimos anos", acrescentou. Tudo o resto, concluiu o primeiro-ministro, "não é um acordo, mas sim uma rendição que iria terminar com a eutanásia do nosso país".

A Alemanha, o maior credor do resgate grego, tem insistido com a Grécia para que honre os seus compromissos. O ministro das Finanças, Wolfgang Schaeuble, disse em Bruxelas não saber o que os gregos querem. "Muitos dos meus colegas perguntam-me: 'o que eles querem realmente? Têm mesmo um plano'", contou, respondendo: "não sei".

Apesar do insucesso nas negociações, os investigadores não estão a dar sinais de pânico. O mercado de acções europeu mantém-se estável, enquanto a bolsa grega caiu 2,5 por cento. No entanto, os juros da dívida grega subiram, num sinal que os mercados estão mais atentos a uma eventual bancarrota.