Anúncio
Anúncio

Militantes do Estado Islâmico, na Síria, apedrejaram brutalmente até à morte dois homossexuais segundos depois de terem tirado fotografias a abraçá-los e a "perdoá-los". As chocantes imagens foram tiradas na província de Homs, território controlado pelo grupo terrorista, e mostram os dois homens a serem executados por quatro jihadistas. Uma multidão sedenta de sangue assistiu a toda a encenação e à chocante morte das duas vítimas. As fotografias surgiram nas redes sociais durante a tarde de quinta-feira, dia 23, e foram rapidamente partilhadas por simpatizantes da organização terrorista, alegando que estas mostram o lado compassivo do grupo.

A sequência de quatro imagens começa por mostrar dois homens de olhos vendados lado a lado no deserto, com um grupo de militantes do ISIS junto a eles, em motos.

Advertisement

Uma das duas vítimas - com cabelo encaracolado, barba e um casaco de cabedal preto - parece resignada ao seu destino, com a mão de um dos carrascos no ombro. O segundo instantâneo mostra um plano fechado de um dos homicidas a abraçar os homens, aparentemente perdoando-os. O acto parece ser genuíno e nada indica que as vítimas tenham ficado com a ideia errada de que iriam ser poupados. O comportamento extremamente calmo pode dever-se ao facto de lhes ter sido dado um cocktail de medicamentos para diminuir a sua ansiedade. É sabido que o Estado Islâmico usa esse tipo de drogas nas execuções gravadas e nas amputações públicas.

A terceira imagem mostra o público, composto maioritariamente por rapazes e jovens. Vestindo roupas tradicionais árabes, a audiência forma um semi-círculo a poucos metros do sítio onde os homens vão ser barbaramente executados.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

Várias motos são visíveis em segundo plano. Na fotografia final, surgem as duas vítimas no chão e pelo menos quatro homens a atirarem-lhes pedras.

Este novo e chocante homicídio surge na mesma altura em que foi noticiado que as forças armadas que combatem o Estado Islâmico na fronteira com o Iraque vão finalmente receber o seu primeiro F-16, encomendado há dois anos. O avião vai aumentar a capacidade do Iraque para enfrentar esta ameaça. O país encomendou 16 aeronaves por quase dois milhões de dólares, em 2011, para apetrechar a sua quase inexistente força aérea.