As previsões do comando norte-americano de Defesa Aeroespacial apontavam para que a nave espacial não-tripulada russa, que está em queda desgovernada em direção à Terra, atingisse o planeta esta sexta-feira. E, de facto, parece que se confirmam. Na passada quinta-feira à noite começaram os avistamentos. Segundo a conta oficial de Twitter da Estação Espacial Internacional, foi possível ver a cápsula a passar sobre a América do Sul. A rede social foi imediatamente inundada de relatos de avistamentos na Argentina, logo seguidos de relatos vindos da Ásia, mais concretamente de Myanmar.

Publicidade

Um pouco por todo o mundo, as pessoas esperam agora para ver onde irá cair a Progress M-27M que, desde o passado dia 28 de abril, se encontra em queda desgovernada após uma falha nas antenas. As últimas informações dão conta que a nave espacial se encontra já sobre o oceano Pacífico, local previsto para a sua queda. Contudo, os cientistas só poderão confirmar o local do embate daqui a umas horas, sendo já quase certo que ocorrerá esta madrugada.

Segundo as informações disponibilizadas pelo comando norte-americano de Defesa Aeroespacial, a reentrada na atmosfera irá incendiar a cápsula, pelo que a nave ficará reduzida a pequenos destroços que, em principio, não causarão grandes danos.

Estima-se que apenas 20 a 40 por cento dos destroços cheguem, realmente, à Terra. Para os mais receosos, ficam os factos: é mais provável uma pessoa ser atingida por um raio do que pelos destroços da nave.

A Progress M-27M foi enviada da base de Baikonur, no Cazaquistão, com o intuito de reabastecer, com alimentos e combustível, os seis astronautas que se encontram na Estação Espacial Internacional. Uma falha técnica desencadeou a sua queda e a nave esteve a dar voltas ao planeta desde que entrou em órbita.

Publicidade
Os melhores vídeos do dia

Os astronautas que ainda se encontram na estação espacial têm agora de esperar pelo envio de outra nave, o que está previsto acontecer durante o mês de agosto, embora tenham mantimentos e combustível para mais quatro meses.