A Fundação Bill e Melinda Gates conta desde quarta-feira com mais um nome de peso na sua lista de milionários filantropos. Alwaleed bin Talal é o mais recente aliado da Fundação, empenhada na promoção da aplicação de grande parte das fortunas das "pessoas e famílias mais ricas do mundo" em Causas de caridade. A fortuna do príncipe está calculada em 29 mil milhões de euros e será usada, de acordo com o próprio, para "ajudar a construir um mundo mais pacífico, igualitário e sustentável para as gerações futuras". O dono da empresa "Kingdom Holding" acrescenta que com este "juramento" honra o seu "compromisso de vida ao que mais importa", sendo que "a filantropia é uma responsabilidade pessoal", na qual embarcou "há mais de três décadas".

Considerando-a "parte intrínseca" da sua "fé islâmica", Alwaleed bin Talal pretende usar a filantropia para levar energia a aldeias, ajudar em cenários de desastre, promover a saúde e a erradicação de doenças, construir orfanatos e contribuir para um mundo mais tolerante.

O príncipe saudita faz assim um juramento já protagonizado por outros nomes igualmente ricos, como Mark Zuckerberg e Tim Cook. Trata-se de um compromisso moral, e em que a doação da fortuna pode acontecer em vida ou depois da morte. Zuckerberg é o mais rico dos jovens abaixo dos 35 anos, de acordo com o ranking publicado pela revista Forbes em Março deste ano. Segunda a publicação norte-americana, o fundador da rede social Facebook detém uma fortuna de avaliada em 33,4 mil milhões de euros.

Uma fortuna que o norte-americano tem usado em várias iniciativas de solidariedade e filantropia. Em 2013 Mark Zuckerberg e a mulher Priscilla foram considerados como o casal mais solidários dos Estados Unidos da América pelo jornal "The Chronicle of Philantropy". Numa lista de 50 nomeados, o casal distinguiu-se por ter doado 18 milhões de ações do Facebook, avaliadas em 727 milhões de euros.

Os melhores vídeos do dia

Têm sido muitos os nomes mediáticos que nos últimos anos se têm associado à Fundação Bill e Melinda Gates, transformando-a numa verdadeira máquina de pressão política nos EUA.