É a primeira ameaça directa lançada pelo Estado Islâmico contra Portugal. Não é novidade nenhuma que o Estado Islâmico, ou Daesh, sempre quis reconquistar a Península Ibérica por já ter sido dominada pelos Muçulmanos, mas agora a ameaça pode ter-se tornado mais séria. Num vídeo divulgado pelo Estado Islâmico, aparece a Península Ibéria a ser coberta de vermelho do Norte para o Sul, além de serem mostradas 60 bandeiras dos países alvos do grupo, onde está incluído o nosso país. O Estado Islâmico é um grupo radical Islâmico responsável pela morte de milhares de pessoas, maioritariamente Cristãs, mas também de outras religiões que não tenham a ver com o Islão.

O grupo é conhecido pelas suas execuções diabólicas, decapitando cabeças e fazendo estrangeiros reféns. Os radicais islâmicos controlam, neste momento, uma boa parte da Síria e do Iraque e além das execuções que promovem, também são conhecidos por destruir património da humanidade. É o caso de Palmira, onde construções históricas e importantíssimas na história do nosso planeta e da raça humana foram destruídas e um dos maiores especialistas sírios naqueles artefactos foi morto.

Desde o início da guerra na Síria morreram mais de 340 mil pessoas e já  ficaram sem casa mais de 7 milhões, sendo que esta guerra já causou 4 milhões de refugiados, muitos deles em campos de refugiados na Turquia, mas também no Líbano e até no vizinho Iraque, onde a situação não é tão má. A guerra na Síria e no Iraque, bem como os conflitos e a falta de condições de vida em vários países africanos e alguns outros países do centro da Ásia, já afectam a Europa, que é "invadida" por milhares de refugiados todos os dias à procura de segurança, paz e de uma vida melhor.

Vídeos destacados del día

Os Estados Unidos lutam na Síria através de uma coligação também constituída por França, Reino Unido, Turquia (acusada pela Rússia de apoiar os radicais e de lhes comprar petróleo), Bahrein, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e Marrocos, apoiando da oposição síria, mas também de países como Catar e Arábia Saudita. Do lado do governo sírio combatem o Irão e a Rússia, que contam com o apoio na forma de armas por parte da Bielorrússia, da Coreia do Norte e do Iraque. A outra facção é constituída pelo Estado Islâmico, que luta contra todas as outras partes da guerra.

Portugal, além de já ter sido dominado pelos Muçulmanos é um excelente local estratégico para o Estado Islâmico para organizar atentados pela Europa e até nos Estados Unidos, mas a segurança de Portugal deverá estar garantida. Não há motivos para preocupações!