Existe já a confirmação de que pelo menos 21 pessoas com passaporte português ficaram feridas nos atentados de ontem, em Bruxelas. Esta informação foi dada à agência Lusa por José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

José Luís Carneiro, que se encontra de viagem à Alemanha, mencionou que 19 feridos fazem parte de uma lista oficial divulgada pela Unidade de Crise do Ministério dos Negócios Estrangeiros belga, para além de mais 2 portugueses que já tinham sido indicados pelas autoridades nacionais e que não constavam da lista. No entanto, o governante também avançou a informação de que existe a possibilidade de 3 nomes estarem repetidos no documento, visto que têm a mesma data de nascimento e a grafia dos nomes tem pequenas diferenças.

Para além dos 19 nomes indicados na lista, surgiu hoje de manhã um 20º, que apareceu através das redes sociais. Esta vítima encontra-se internada num hospital, em Bruxelas; está livre de perigo, apesar de ter alta apenas dentro de 4 dias, tal como foi confirmado pelo embaixador de português na capital belga.

A 21ª cidadã portuguesa ferida foi encontrada ontem, terça-feira, e está fora de perigo, devendo ter alta em poucos dias, acrescentou o secretário de Estados das Comunidades Portuguesas, que mencionou ter recebido o documento com os 19 cidadãos com passaporte português esta manhã, 23 de Março. Por isso, não conseguiu adiantar mais informações sobre o seu estado.

José Luís Carneiro disse que "sabemos apenas que 6 deles foram assistidos no hospital e, face a pouca gravidade dos ferimentos, acabaram por ter alta rapidamente".

Vídeos destacados del día

Quando questionado pela agência Lusa se existe a possibilidade de vítimas mortais de nacionalidade portuguesa, visto que as autoridades competentes da Bélgica ainda não divulgaram nenhum documento com os nomes e países de origem das 34 vítimas (mortais), respondeu que não tinha como dar essa informação.

O governante disse que a Embaixada de Portugal em Bruxelas e os Serviços Consulares encontram-se em contacto permanente com as autoridades da Bélgica e que vão procurar os 13 portugueses que estão em vários hospitais em Bruxelas.

.