Foi divulgada ontem (3 de Abril) pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação uma lista já conhecida como os "documentos do Panamá", que contém o nomes de personalidades ligadas à política, ao futebol e ao mundo empresarial, que administravam o seu património através de empresas "offshore" e de paraísos fiscais. Esta lista inclui nomes como o do presidente da Argentina, o jogador de futebol Lionel Messi, o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, o rei da Arábia Saudita e muitos outros.

Publicidade
Publicidade

A lista chega até ao público devido a uma fuga de informação que envolve a empresa de advogados panamiana Mossack Fonseca. Bancos e subsidiárias também estão listadas por estarem envolvidas na criação das empresas em paraísos fiscais.

O Ministério Público do Panamá abriu uma investigação devido a estas revelações. A empresa de advogados negou à agência espanhola Efe qualquer ligação aos delitos referenciados na lista e comunicou aos clientes ter sido alvo de um ataque informático e que os dados destes poderiam ter sido comprometidos.

Alega, no entanto, que a empresa nunca foi acusada de qualquer crime e que se detectasse alguma actividade suspeita, o teria relatado de imediato às autoridades.

Os já conhecidos "documentos do Panamá" revelam um sistema legal de construção de empresas que permite às pessoas fugirem ao fisco. Nestes documentos é conhecido já um nome português: Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, um empresário do Norte do país que figurou também no processo Lava Jato.

Publicidade

Estes são apenas alguns dos nomes que já foram revelados, mas a lista promete ser longa e ainda está a ser divulgada. Pedro Santos Guerreiro, director do Expresso, teve acesso directo aos documentos e explica que são mais de 11 milhões de documentos que incluem transacções e e-mails.

O impacto desta notícia já se fez sentir na Islândia, onde a oposição pediu de imediato a demissão do Primeiro-Ministro e na Austrália já foram postas em curso investigações que têm como alvo 800 cidadãos com contas "offshore" e envolvidos em esquemas de corrupção.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo