Guimarães é cidade desde 1853, por ordem da Rainha Dona Maria II, e conta atualmente com 55 mil habitantes. A sua fundação liga-se com a origem de Portugal e com o seu primeiro Rei, Dom Afonso Henriques. Este venceu a Batalha de São Mamede em 1128 contra os galegos que eram apoiados pela mãe do Rei português. Esta vitória marcou a afirmação do Reino de Portugal e a sua independência em 1143.

O Castelo e o Paço dos Duques de Bragança são os dois monumentos mais reconhecidos e representam bem a história da cidade. O primeiro foi construído no século X, por ordem da condessa Mumadona, como forma de proteger o Mosteiro de Santa Maria dos ataques constantes dos Normandos vindos do Norte e dos Muçulmanos vindos do Sul.

Durante muito tempo esteve abandonado e apenas foi restaurado a partir de 1932. No espaço em frente temos a estátua de Dom Afonso Henriques realizada por Soares dos Reis que está neste local desde 1940. O Paço dos Duques foi ideia de Dom Afonso, 1º duque de Bragança, e surgiu no século XV. Este tem aspeto de casa senhorial fortificada com inúmeras chaminés avermelhadas. Em 1807 foi transformado em quartel militar e em 1935 foi restaurado de acordo com o plano do arquiteto Rogério de Azevedo. Em 1959 tornou-se Palácio Nacional e museu com diversos claustros, uma capela, alguns salões e uma decoração interior que demonstra a riqueza e o valor monumental deste lugar. Perto dali temos uma estátua de Mumadona feita de bronze que homenageia a condessa que governava o Condado Portucalente no século X.

Vídeos destacados del día

A cidade apresenta um vasto património que está bem conservado nomeadamente o seu centro histórico que é Património Mundial da UNESCO desde 2001. Esta zona de Guimarães é constituída pelo o Largo da Oliveira e a Praça de São Tiago que estão ligados por uma arcada gótica. As suas casas mantém o seu traçado medieval e estão decoradas com pequenas varandas e flores. No meio do Largo da Oliveira existe o Padrão do Salado de estilo gótico que comemora a batalha, com o mesmo nome, contra os mouros em 1340. Perto do centro histórico está o Largo do Toural que é a praça mais emblemática da cidade, recentemente renovada, e tem um estilo pombalino com telhados de águas furtadas. No passado este local foi palco de corridas de touros e feiras de gado bovino e daí o nome da praça. Este espaço é o centro da economia e do comércio da cidade e é utilizado frequentemente pelos vimaranenses e pelos os turistas tal como acontece com o centro histórico. No início do Largo do Toural encontramos uma antiga muralha com a inscrição “Aqui nasceu Portugal”, que invoca o longo e glorioso passado de Guimarães e do país.

Guimarães não é só uma cidade com cariz histórico mas também apresenta um dinamismo cultural interessante para a sua dimensão. Esta vertente ganhou maior impulso em 2012, quando a cidade foi a Capital Europeia da Cultura. Há diversos espaços na cidade, como o Museu Alberto Sampaio criado em 1928. Este contém coleções de arte sacra como esculturas, ouriversaria e azulejos provenientes da época medieval que estavam na antiga Colegiada da Nossa Senhora da Oliveira e em outras igrejas e conventos da região. No sul da cidade está o Palácio Vila Flor do século XVIII rodeado por belos jardins disposto em três andares. Este local integra um Centro Cultural desde 2005 que assume importância para a cidade e para o país. As pessoas que o visitam podem assistir a exposições de artistas contemporâneos e também utilizar os dois auditórios, as quatro salas de reuniões e o café-concerto.

Numa das entradas da cidade temos o Pavilhão Multiusos. É um dos locais de eventos de melhor qualidade em Portugal e este ano recebeu a final do Festival da Canção. É um espaço moderno com capacidade para cerca de 10 mil pessoas na nave central. A sua agenda inclui atividades diversas como competições internacionais,feiras, congressos e concertos. Se caminharmos para norte rumo ao centro descobrimos o Centro de Artes de José de Guimarães dedicado ao artista plástico vimaranense que tem obras expostas em diversas cidades como Tóquio. Foi inaugurado em 2012 no espaço do antigo mercado e tem exposições contemporâneas e de outras épocas como comprovam as obras de arte tribal, arte africana, arte arqueológica chinesa e arte pré-colombiana presentes neste centro artístico.

Um pouco mais a norte está o principal equipamento desportivo, o Estádio Dom Afonso Henriques. Este tem capacidade para 30 mil pessoas e foi um dos 10 estádios do Euro 2004. O clube da cidade, o Vitória de Guimarães, joga neste estádio e é o clube com mais assistências nos jogos em casa depois dos três grandes e à frente do seu rival Braga. Este aspeto demonstra a grande união entre o clube e a cidade.

Por fim, é de de realçar a existência de um local religioso e de peregrinação localizado num monte a 6,5 km do centro de Guimarães e com uma bela vista sobre a cidade. Este é o Santuário da Penha, que inclui vários sítios como grutas, parque de campismo, restaurantes, bares, centro equestre, hotel e integra uma grande Reserva Ecológica Nacional com cerca de 50 hectares. Há um teleférico com 1,7 km de comprimento que liga Guimarães até ao cimo dos 600 metros da montanha da Penha.