O Porto é uma cidade antiga e o seu centro histórico tem papel de destaque nos objetivos dos turistas que visitam a cidade. No entanto, outra zona mais moderna da cidade também apresenta dinamismo e desenvolvimento, a Boavista. Esta zona constitui uma centralidade em termos de negócios, de comércio e de cultura. Deste modo também tem potencial para receber turistas que pretendem conhecer outras zonas do Porto fora do centro histórico. Esta área situada em torno da rotunda e da avenida da Boavista engloba as freguesias de Aldoar, Ramalde e Lordelo de Ouro/ Massarelos. Esta zona nobre da cidade do Porto é dotada de diversos locais de interesse para os visitantes.

Publicidade
Publicidade

Locais de interesse

O Museu de Serralves é um dos locais mais conhecidos da cidade e uma referência nacional relativamente à arte contemporânea. O edifício original data de 1944 e foi desenhado por Charles Siclis. É de estilo Art Deco e apresenta uma cor rosa caraterística. Em 1999 foi transformado em museu pelo arquiteto Siza Vieira e é um dos mais visitados do país. Além da sua magnífica coleção de arte contemporânea, o seu espaço inclui biblioteca, livraria, restaurante e casa de chá.

Vista aérea da Rotunda da Boavista [Imagem via Wikimedia]
Vista aérea da Rotunda da Boavista [Imagem via Wikimedia]

Ao longo do ano também é utilizado para eventos, programas educativos, sessões públicas, espetáculos de dança e música. Na zona envolvente ao edifício há um parque de 18 hectares criado em 1940. Durante o passeio pelo o parque é possível passar momentos de tranquilidade junto ao lago, à imensa zona verde a aos animais pouco comuns nas cidades presentes no parque, como os cavalos, as ovelhas e as vacas.

Bilhete do Museu + Parque: 10 euros (25 % desconto com Porto Card)

Horário: 10h-18h (Segunda a Sexta)

10h-19h (Fins de semana e Feriados)

A cerca de 2 kms de Serralves temos o Jardim Botânico do Porto.

Publicidade

A entrada neste espaço verde é de 5 euros (50% de desconto com Porto Card) e inclui visita à casa Andresen, situada dentro do jardim, e que pertenceu à família da poetisa Sophia Mello Breyner. Esta propriedade foi adquirida pelo o Estado em 1949 que a converteu no Jardim Botânico dois anos mais tarde. Desde 2017 engloba também a Galeria de Biodiversidade dedicada ao centro de Ciência Viva e à evolução da vida na Terra. No jardim podemos encontrar japoneiras, cactos, orquídeas e outras espécies arbóreas.

A casa Andresen foi algumas vezes referenciada na obra da escritora portuense. O horário de visita do Jardim Botânico é todos os dias das 9h às 19h, enquanto que a Galeria da Biodiversidade encerra às segundas.

Para quem gosta de desporto e particularmente de futebol há o Estádio do Bessa, onde joga o Boavista, um dos clubes da cidade. Este estádio foi inaugurado em 1972 e remodelado para o Euro 2004. Desde essa altura a sua capacidade ronda os 30 mil lugares distribuídos por quatro bancadas com dois andares cada uma.

Publicidade

Saliento que tem um estilo semelhante aos estádios ingleses. Os jogos de futebol são a principal atividade deste equipamento, mas também é comum ser utilizado para outros eventos como colóquios, conferências, reuniões, exposições, workshops e jantares ou almoços de negócios.

Em termos religiosos, o maior destaque da zona da Boavista é a Sinagoga Kadoorie Mekor Haim. Está localizada na rua de Guerra Junqueiro junto ao cemitério de Agramonte e é a maior de Portugal e da Península Ibérica.

Publicidade

Desde 1938 que existe a Sinagoga do Porto por iniciativa do Capitão Barros Bastos, o fundador da comunidade israelita do Porto. Naquela época acolheu cerca de 400 judeus que fugiam da Alemanha Nazi. Atualmente, a comunidade conta com 150 membros de 19 nacionalidades. Dentro da Sinagoga há diversos espaços, como uma sala de oração, biblioteca, museu, escola, sala de refeições, pátio para eventos e local para a Mikvé (ritual de conversão ao Judaísmo) e dispensa com produtos alimentares Kosher (judaicos) disponível apenas para membros da comunidade. Todos estes espaços podem ser conhecidos pela população em geral através de uma visita guiada no valor de 5 euros (30% desconto com Porto Card), exceto aos sábados e feriados judaicos. Estas visitas iniciaram-se em 2013 e pretendem informar as pessoas sobre o judaísmo do ponto de vista cultural, religioso e histórico. Acrescento também que fica-se a conhecer como foi criada a comunidade israelita do Porto e a sua evolução ao longo do tempo.

Mais museus

Além do museu Serralves, há outros dois de relevo junto ao rio Douro. O primeiro tem como objetivo conservar e interpretar o transporte público sobre carris existente no Porto desde o seu início em 1895. O Museu do Carro Elétrico apresenta uma coleção de carruagens antigas, cada uma delas com uma descrição e com a possibilidade de serem utilizadas pelos os visitantes do museu. Deste modo, as pessoas podem ter a sensação de como era o transporte público no passado. Recentemente foi aberta uma nova sala dedicada à Central Termoelétrica de Massarelos, que tornou o museu mais rico. Através de marcação, o público pode utilizar os Serviços Educativos, o Serviço de Gestão de Coleções e o Centro de Documentação relativo à história do Porto e ao transporte urbano.

Perto dali há outro museu importante dedicado ao vinho do Porto e está localizado num antigo armazém. Este contém grandes tonéis que são usados no comércio deste produto típico. Este processo é explicado durante uma visita guiada ao museu e acresce a existência de vídeos que mostram como o vinho é transportado no rio Douro tornando mais clara a explicação. Quem for ao museu também fica a conhecer a importância que o vinho tem tido no desenvolvimento da cidade e da região. No fim da visita há uma degustação e a oportunidade de comprar algum exemplar.

Leia tudo e assista ao vídeo