O Porto é uma cidade antiga e o seu centro histórico tem papel de destaque nos objetivos dos turistas que visitam a cidade. No entanto, outra zona mais moderna da cidade também apresenta dinamismo e desenvolvimento, a Boavista. Esta zona constitui uma centralidade em termos de negócios, de comércio e de cultura. Deste modo também tem potencial para receber turistas que pretendem conhecer outras zonas do Porto fora do centro histórico.

Esta área situada em torno da rotunda e da avenida da Boavista engloba as freguesias de Aldoar, Ramalde e Lordelo de Ouro/ Massarelos. Esta zona nobre da cidade do Porto é dotada de diversos locais de interesse para os visitantes.

Locais de interesse

O Museu de Serralves é um dos locais mais conhecidos da cidade e uma referência nacional relativamente à arte contemporânea. O edifício original data de 1944 e foi desenhado por Charles Siclis.

É de estilo Art Deco e apresenta uma cor rosa caraterística. Em 1999 foi transformado em museu pelo arquiteto Siza Vieira e é um dos mais visitados do país. Além da sua magnífica coleção de arte contemporânea, o seu espaço inclui biblioteca, livraria, restaurante e casa de chá. Ao longo do ano também é utilizado para eventos, programas educativos, sessões públicas, espetáculos de dança e música. Na zona envolvente ao edifício há um parque de 18 hectares criado em 1940.

Durante o passeio pelo o parque é possível passar momentos de tranquilidade junto ao lago, à imensa zona verde a aos animais pouco comuns nas cidades presentes no parque, como os cavalos, as ovelhas e as vacas.

Bilhete do Museu + Parque: 10 euros (25 % desconto com Porto Card)

Horário: 10h-18h (Segunda a Sexta)

10h-19h (Fins de semana e Feriados)

A cerca de 2 kms de Serralves temos o Jardim Botânico do Porto.

A entrada neste espaço verde é de 5 euros (50% de desconto com Porto Card) e inclui visita à casa Andresen, situada dentro do jardim, e que pertenceu à família da poetisa Sophia Mello Breyner. Esta propriedade foi adquirida pelo o Estado em 1949 que a converteu no Jardim Botânico dois anos mais tarde. Desde 2017 engloba também a Galeria de Biodiversidade dedicada ao centro de Ciência Viva e à evolução da vida na Terra.

No jardim podemos encontrar japoneiras, cactos, orquídeas e outras espécies arbóreas. A casa Andresen foi algumas vezes referenciada na obra da escritora portuense. O horário de visita do Jardim Botânico é todos os dias das 9h às 19h, enquanto que a Galeria da Biodiversidade encerra às segundas.

Para quem gosta de desporto e particularmente de futebol há o Estádio do Bessa, onde joga o Boavista, um dos clubes da cidade.

Este estádio foi inaugurado em 1972 e remodelado para o Euro 2004. Desde essa altura a sua capacidade ronda os 30 mil lugares distribuídos por quatro bancadas com dois andares cada uma. Saliento que tem um estilo semelhante aos estádios ingleses. Os jogos de futebol são a principal atividade deste equipamento, mas também é comum ser utilizado para outros eventos como colóquios, conferências, reuniões, exposições, workshops e jantares ou almoços de negócios.

Em termos religiosos, o maior destaque da zona da Boavista é a Sinagoga Kadoorie Mekor Haim. Está localizada na rua de Guerra Junqueiro junto ao cemitério de Agramonte e é a maior de Portugal e da Península Ibérica. Desde 1938 que existe a Sinagoga do Porto por iniciativa do Capitão Barros Bastos, o fundador da comunidade israelita do Porto. Naquela época acolheu cerca de 400 judeus que fugiam da Alemanha Nazi. Atualmente, a comunidade conta com 150 membros de 19 nacionalidades. Dentro da Sinagoga há diversos espaços, como uma sala de oração, biblioteca, museu, escola, sala de refeições, pátio para eventos e local para a Mikvé (ritual de conversão ao Judaísmo) e dispensa com produtos alimentares Kosher (judaicos) disponível apenas para membros da comunidade. Todos estes espaços podem ser conhecidos pela população em geral através de uma visita guiada no valor de 5 euros (30% desconto com Porto Card), exceto aos sábados e feriados judaicos. Estas visitas iniciaram-se em 2013 e pretendem informar as pessoas sobre o judaísmo do ponto de vista cultural, religioso e histórico. Acrescento também que fica-se a conhecer como foi criada a comunidade israelita do Porto e a sua evolução ao longo do tempo.

Mais museus

Além do museu Serralves, há outros dois de relevo junto ao rio Douro. O primeiro tem como objetivo conservar e interpretar o transporte público sobre carris existente no Porto desde o seu início em 1895. O Museu do Carro Elétrico apresenta uma coleção de carruagens antigas, cada uma delas com uma descrição e com a possibilidade de serem utilizadas pelos os visitantes do museu. Deste modo, as pessoas podem ter a sensação de como era o transporte público no passado. Recentemente foi aberta uma nova sala dedicada à Central Termoelétrica de Massarelos, que tornou o museu mais rico. Através de marcação, o público pode utilizar os Serviços Educativos, o Serviço de Gestão de Coleções e o Centro de Documentação relativo à história do Porto e ao transporte urbano.

Perto dali há outro museu importante dedicado ao vinho do Porto e está localizado num antigo armazém. Este contém grandes tonéis que são usados no comércio deste produto típico. Este processo é explicado durante uma visita guiada ao museu e acresce a existência de vídeos que mostram como o vinho é transportado no rio Douro tornando mais clara a explicação. Quem for ao museu também fica a conhecer a importância que o vinho tem tido no desenvolvimento da cidade e da região. No fim da visita há uma degustação e a oportunidade de comprar algum exemplar.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo