Numa aldeia da Batalha, um homem de 65 anos foiacusado de ter abusado de um menino de 13 anos.A criançaencheu-se decoragem e contou àmãe os abusos que estava a sofrer há algum tempo. Depois de denunciado o caso àpolícia, o tribunal deixouo homem em liberdade, mas obrigou-o a sair da aldeia onde residia, perto da vítima dos seus abusos.Aconteceu na última semanae o casofoi resolvido pela Polícia Judiciária de Leiria.

Tudo começou há uns meses, quando este homemcomeçou a convidaro menino para ir a suacasa. E no início ninguém estranhava, até porque o agressor sexual não tinha qualquer antecedente que pudesseindiciar semelhanteCrime. Como eram vizinhos, todos aceitavam e consideravam normalque o menino visitasse o homem, muito bem visto por toda a população, como conta o Correio da Manhã.

O homem trabalhava comofuncionário administrativo e não levantava suspeitas.

E foi por aí que começaram os abusos ao menino. Primeiro na casa do agressor e depois chegou mesmo a abusar do meninona rua. Os episódios prolongaram-se porvários meses, até quea criançaganhou coragem e denunciou o caso à mãe. Foi na última semana e a Polícia Judiciária de Leiriadeteve este homem na última quarta-feira, dia 9de Setembro. Mas durou pouco a privação de liberdade para este homem. No dia seguinte foi presente a tribunal e foi imediatamente libertado.

Apesar dosabusos sexuais ao menor, o agressor foi posto em liberdade, ficando obrigado a sair da localidade onde vivia, na Batalha, tendo que se mudar para outro lugar. Está tambémproibido de se aproximar ou de contactar quer o menino, quer a mãe que denunciou o caso à polícia. Terá ainda que se apresentar periodicamente às autoridades locais.

Por não ter qualquer registo no cadastro, nem antecedentes criminais, o tribunal teve esta decisão, mas o caso deverá continuar a ser investigado, a fim de confirmar que o homem não continuacom os abusos a menores.

O que acham? Não se aproximar da vítima é castigo suficiente para punir abusos sexuais? Deixem os vossos comentários na caixa abaixo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo