Esta sexta-feira, na Praia da Vieira, concelho da Marinha Grande, distrito de Leiria, um homem com 58 anos de idade morreu vítima de Afogamento. O homem mergulhou apesar da bandeira vermelha se encontrar hasteada, segundo informações do comandante Gomes Agostinho, da Capitania da Nazaré. Gomes Agostinho informou que o homem foi retirado do mar ainda com vida, no entanto já se encontrava em paragem cardíaca.

O Ministério Público está encarregue de apurar os factos em torno do caso, bem como determinar se terão existido outros comportamentos que possam ter levado à morte do indivíduo.

O homem, emigrante no Canadá, era oriundo dos arredores de Leiria e encontrava-se na praia com a esposa e amigos vindos desse país americano, segundo o site do Jornal de Notícias.

Outros casos de afogamento

No passado dia 2 de agosto, um rapaz de 16 anos de idade, a viver na Figueira da Foz, afogou-se na praia fluvial da Ereira, distrito de Coimbra. Saltou de uma prancha a uma altura de 2 metros, sendo posteriormente resgatado da água morto.

O início da época balnear de 2017 também foi marcado por várias mortes por afogamento em praias não vigiadas, nomeadamente na Nazaré e na Costa da Caparica. Na Nazaré foi um casal de idosos, 75 e 76 anos e nacionalidade espanhola, que passeava pela beira-mar num período de rebentação muito forte, tendo sido arrastados por uma onda. Foi acionado o alerta ao início da tarde, enviado um helicóptero e outros meios de salvamento, mas já não foi possível retirar o casal da água com vida.

Os melhores vídeos do dia

Já na Costa da Caparica foi um indivíduo de 32 anos de idade que, ao tentar salvar um casal ferido, morreu afogado. O indivíduo foi ainda retirado do mar com vida, mas em paragem cardíaca. Veio a falecer no hospital apesar das manobras de reanimação do INEM.

Segundo o comandante Pedro Coelho Dias, essas praias onde ocorreram as mortes por afogamento estavam ainda sem vigilância. De 1 de janeiro a 1 e maio de 2017, já morreram 36 pessoas vítimas de afogamento. De acordo com o observatório da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores, metade dos afogamentos ocorre no mar e a outra metade em poços, piscinas, valas, rios e marinas. Cerca de 21% das vítimas são de nacionalidade estrangeira.

Em 2016, durante a época balnear, 11 pessoas perderam a vida, vítimas de afogamento. As condições climatéricas altamente favoráveis, numa das Primaveras mais quentes e secas de que há memória recente, terão contribuído para um afluxo de pessoas às praias, o que, numa época do ano ainda sem vigilância, multiplica as situações de perigo.