O juiz de instrução criminal de Leiria determinou a prisão preventiva para o homem, de 38 anos, que agrediu e baleou o ex-sogro, de 67 anos, numa escola da Nazaré. O Crime ocorreu na manhã da segunda-feira, 29 de Janeiro, quando o agressor pretendia visitar o seu filho, aluno da escola. Depois de agredir a vítima, provocando-lhe ferimentos graves que acabaram por lhe provocar a morte, o indivíduo foi imediatamente detido por agentes policiais afectos ao programa Escola Segura que estavam próximos do estabelecimento de ensino. A mãe da criança, de 31 anos, também foi agredida pelo seu antigo companheiro.

Foi um momento invulgar aquele que aconteceu por cerca das 10 horas da passada segunda-feira, 29 de Janeiro, na Escola Amadeu Gaudêncio, na Nazaré.

Segundo a Procuradoria da Comarca de Leiria, tudo aconteceu quando um homem de 38 anos se deslocou à escola para visitar o seu filho menor de idade, que estava em aulas naquele estabelecimento de ensino. No entanto, a mãe da criança, separada do pai da criança, terá sabido da visita e deslocou-se à escola, na companhia do seu pai. A situação terá originado uma discussão entre o pai e o avô materno do menor, tendo os dois se envolvido em confrontos físicos. E terá sido naquela ambiência de violência que a tragédia aconteceu.

Munido de uma navalha, o indivíduo terá desferido uma facada no rosto da antiga companheira, assim como ferido, igualmente com a navalha, o pai daquela, atingindo-o no abdómen. Posteriormente, o agressor disparou um revólver de calibre 32, que tinha na sua posse, atingindo com dois tiros o ex-sogro.

Os melhores vídeos do dia

Relata a mesma Procuradoria da Comarca que o arguido terá disparado duas vezes a mesma arma sobre a mãe do seu filho, mas o pai desta colocou-se entre o casal, tendo sido atingido, caindo prostrado no chão. O suspeito agressor disparou ainda mais dois tiros que atingiram a vítima na zona das costas. O sexagenário ainda foi socorrido e transportado com vida para o Centro Hospitalar de Leiria, mas não resistiu aos ferimentos, tendo sido decretado o óbito.

Perante o sucedido, os agentes policiais afectos ao programa Escola Segura, procederam de imediato à detenção do alegado agressor. Na sua posse tinha, para além do revólver e de uma navalha com lâmina de 5,5 centímetros, 15 munições de calibre 32 milímetros. No chão, junto ao corpo da vítima, os agentes policiais encontraram, ainda, uma navalha com lâmina de 8 centímetros de comprimento. A violenta agressão foi assistida por vários alunos da escola, que ficaram em estado de choque e tiveram de receber apoio psicológico. A escola suspendeu as actividades lectivas e só reabriu na manhã do dia seguinte.

O Ministério Público entende que a prisão preventiva foi a medida de coacção mais adequada para o arguido, considerando que existe “perigo de continuação de actividade criminosa” por parte daquele, assim como “perturbação grave” da ordem e tranquilidades públicas. Entretanto, a Polícia Judiciária de Leiria prossegue com a respectiva investigação, orientada pelo procurador do Ministério Público do Departamento de Investigação e Acção Penal de Leiria.