Um jovem de 27 anos sofreu ferimentos graves na sequência de uma Explosão que ocorreu numa habitação em Peniche. A vítima teve de ser transportada por um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) para os Hospitais da Universidade de Coimbra. Duas mulheres, de 46 e 76 anos, também ficaram feridas, uma delas com gravidade. As autoridades estão a investigar as causas da explosão, mas os indícios apontam para uma acumulação de gás na cozinha da residência.

Habitação na zona histórica

De acordo com o comando dos Bombeiros Voluntários de Peniche o alerta foi dado pouco antes das 13h30 deste domingo, 18 de Março, dando conta de uma explosão numa habitação no centro histórico com três feridos.

Segundo Alexandre Barradas, segundo comandante da corporação de bombeiros, a explosão aconteceu no rés-do-chão de uma moradia de dois pisos, muito provavelmente devido à acumulação de gás na cozinha. A situação terá provocado um pequeno foco de incêndio que à chegada dos bombeiros já estava extinto. O operacional adiantou que existiam três as vítimas: a proprietária da residência, uma mulher de 76 anos que sofreu ferimentos ligeiros e que foi transportada ao hospital local; uma sua familiar, de 46 anos, que sofreu queimaduras na face e que foi socorrida no hospital das Caldas da Rainha; e um inquilino da habitação, um jovem de 27 anos que sofreu os ferimentos mais graves, tendo sido helitransportado para a unidade de queimados dos hospitais centrais de Coimbra.

O socorro foi feito pelos bombeiros que solicitaram ajuda diferenciada do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que accionou para o local uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) e uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER).

Os melhores vídeos do dia

Segundo o segundo comandante Alexandre Barradas, a explosão não provocou danos na estrutura do imóvel, tendo afectado, essencialmente, a cozinha da habitação, danificando ainda a porta principal.

Vítima de 76 anos em estado de ansiedade

Um filho da proprietária da residência disse aos jornalistas que a sua mãe não sofreu queimaduras, uma vez que se encontrava no primeiro andar do imóvel, tendo sido transportada ao hospital devido ao estado de ansiedade e de choque que apresentava devido ao sucedido. A mulher teve alta hospitalar ao final da tarde, ficando alojada na casa do filho por precaução. Já a mulher de 46 anos, familiar da proprietária, que a teria ido auxiliar na preparação do almoço, sofreu algumas queimaduras, “mas sem gravidade”, disse o mesmo, adiantando que os maiores danos foram registados no forno e na placa do fogão, na cozinha, presumindo-se que terá sido ali o foco da explosão.