A comunidade emigrante portuguesa em Paris está triste com o anúncio do falecimento de José Batista de Matos. O antigo dirigente e considerado como o rosto da emigração lusa, com referência no Museu Nacional da História da Imigração em Paris, morreu aos 84 anos de idade. Natural da pequena aldeia de Alcanadas, no concelho da Batalha (Leiria), José Batista de Matos emigrou para França aos 29 anos de idade para fugir da ditadura que governava o nosso País. Pouco tempo depois foi um dos promotores de protestos e uma greve, durante as obras do metro de Charles de Gaulle, em Paris, contra as desigualdades entre os operários.

Aquela atitude de José Batista de Matos, em Maio de 1968, fez com que marque presença no espólio do Museu Nacional da História da Imigração em Paris, onde se encontra o seu antigo capacete de trabalho e vários documentos, como passaporte, imagens e fotografias, com destaque para a ilustrações que documentam o momento em que o emigrante português içou uma bandeira vermelha numa grua das obras como forma de revolta contra o apoio popular ao General de Gaulle.

Isto, depois de ter preparado uma greve dos operários nos trabalhos de construção do metro de Charles de Gaulle, onde ele próprio chefiava uma equipa de trabalhadores. Uma acção de luta que resultou num aumento de 35 francos por semana para os trabalhadores. Aquele momento marcou a sua vida, fazendo com que nunca mais parasse de se envolver junto da comunidade emigrante em França.

José Batista de Matos, que emigrou para França em 1963, sem conhecer uma única palavra francesa e onde se instalou nos conhecidos “bairros da lata”, foi co-fundador e dirigente da Associação Portuguesa de Fontenay-sous-Bois, onde ergueu um monumento alusivo à revolução do 25 de Abril de 74, o primeiro fora de Portugal. Durante oito anos foi Conselheiro das Comunidades Portugueses e é autor de dois livros, um alusivo à aldeia de Alcanadas e outro sobre o percurso da sua vida de “militância cívica e cultural”.

Os melhores vídeos do dia

O então Presidente da República, Cavaco Silva, atribuiu-lhe o estatuto de comendador ao distingui-lo com a Comenda da Ordem Nacional de Mérito e, há cerca de um mês, viu a ser-lhe atribuída a medalha da cidade de Fontenay-sous-Bois.

As cerimónias fúnebres de José Batista de Matos ião realizar-se na próxima quarta-feira, 4 de Junho, em Alcanadas, no concelho da Batalha, cujo município já decretou três dias de pesar municipal pelo falecimento súbito do comendador.