O dia de hoje (17 de Abril) fica marcado com mais uma tragédia da aviação em Portugal. Uma aeronave cujo destino era Marselha, em França, acabou por cair em Tires, Cascais, causando o pânico no local. A aeronave caiu perto do supermercado Lidl, em Tires. Supostamente, terá acontecido algo repentino antes da queda e o piloto não terá tido tempo de avisar a torre de controlo nem de fazer nada para evitar uma tragédia destas.

Acabou mesmo por cair sobre um camião que se encontrava no parque de estacionamento do hipermercado a fazer um descarregamento de produtos. Os prédios próximos foram afectados e uma casa terá ficado mesmo sem condições para continuar a ser habitada.

Entretanto, nove pessoas ficaram sem casa devido a este acidente e para já irão ficar em casa de familiares.

Todos os ocupantes que iam na aeronave em questão eram adultos e perderam a vida. Três deles eram de nacionalidade francesa e o quarto era suíço. Mas uma quinta pessoa acabou por igualmente perder a vida neste trágico acidente: o motorista do camião atingido. A queda terá ocorrido dois quilómetros após o bimotor ter descolado.

Segundo o que foi avançado pelo "Observador", a aeronave que caiu era um bimotor Piper PA-31 T Cheyenne II, portador da matrícula HB-LTI e foi fabricado em 1981. No ano de 2013 terá pertencido à empresa suíça Symbios Orthopédie SA, uma empresa de produção de próteses ortopédicas. O último voo que aconteceu antes deste acidente fatal realizou-se na sexta-feira passada, 14 de Abril, entre Marselha (França) e Tires, tendo o voo durado três horas e meia.

Os melhores vídeos do dia

O factos de os corpos terem sofrido queimaduras muito extensas dificulta o reconhecimento dos mesmos e provavelmente serão apenas reconhecidos por testes de ADN, o que obriga os familiares a colaborarem nos testes para a comparação do respectivo ADN.

Foram accionados para o local do acidente 50 Bombeiros e 18 viaturas. De igual forma, as forças de segurança também foram imediatamente alertadas e ainda se encontram no terreno, especialmente a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Polícia Judiciária (PJ). A PSP, logo após o acidente, delimitou imediatamente um perímetro de segurança. O reconhecimento e a identificação dos corpos será ainda um processo demorado. Tal como ainda vai demorar algum tempo para que seja feito o apuramento de todos os factos e responsabilidades.