Um dos espaços de diversão nocturna mais badalados da cidade de Lisboa foi encerrado na madrugada desta sexta-feira, 3 de Novembro, após um despacho do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. A notificação foi feita por cerca das 4h30 com a retirada dos clientes que se encontravam no interior do estabelecimento. A decisão surge depois de ter circulado pelas redes sociais um vídeo onde é visível dois homens a serem violentamente agredidos, alegadamente, por um grupo de seguranças que operam no Urban Beach. Mas também por terem sido apresentadas na Policia de Segurança Pública, desde o início do corrente ano, 38 queixas sobre situações ocorridas naquele mesmo espaço.

As imagens dos dois jovens, indefesos e caídos no chão, a serem agredidos com extrema violência, supostamente por um grupo de seguranças privados que prestam serviço no estabelecimento de diversão nocturna, gerou uma onda de revolta, culminando com o encerramento do espaço por tempo indeterminado. Face à divulgação pública do vídeo da agressão, a administração do Urban Beach repudiou a ocorrência, mas alertou que se tratou de uma questão "estritamente" relacionada com a segurança na via pública, garantindo total disponibilidade para colaborar com as autoridades nas respectivas investigações. Mais, o administrador Paulo Dâmaso tornou público que tinha solicitado à empresa de segurança privada para instaurar processos disciplinares e suspender os seguranças envolvidos.

Entretanto, agentes da investigação criminal da Polícia de Segurança Pública detiveram um dos seguranças alegadamente envolvido na agressão dos dois jovens, enquanto os restantes estão todos identificados.

Os melhores vídeos do dia

Por outro lado, o ministro da Administração Interna também determinou que a mesma Polícia de Segurança Pública inicie um processo de fiscalização à actividade da empresa de segurança privada, tendo igualmente convocado o Conselho de Segurança Privada para apreciar aquele episódio de violência.

Por sua vez, a empresa em causa – PSG Segurança Privada SA – referiu que teve conhecimento do caso pelas redes sociais e órgãos de Comunicação Social, garantindo que os suspeitos agressores serão punidos exemplarmente, reconhecendo tratar-se de um comportamento de grande gravidade. Num comunicado, a PSG lamenta profundamente aquela ocorrência e apresentou desculpas às vítimas. De referir que o Ministério Público já iniciou um processo com vista a investigar, em articulação com a Polícia de Segurança Pública, aquela violenta agressão ocorrida na madrugada de quarta-feira, 1 de Novembro.