Publicidade
Publicidade

Hoje falo de nós, mulheres. Este Dia Internacional da Mulher dedico-o a todos aqueles que não se lembram do que elas são no resto do ano. Sim, é claro que existem pessoas que só se lembram que muitas mulheres são tratadas de formas piores do que animais neste dia. Porque nem todas temos a sorte de dar a voz por algo. Isso é o que mais me custa, não me imagino calada por uma tirania ridícula qualquer. Eu não me calo por nada e adorava dar esse pouco de mim a muitas mulheres pelo mundo fora.

Tive a sorte de nascer num meio bom e civilizado.

Publicidade

Fui educada a falar e a ouvir, a respeitar e a ser respeitada. Não pertenço a qualquer tipo de movimento feminista e não me sinto mal por isso. Não acho que seja necessário para defender tudo aquilo que é óbvio. Para mim o óbvio é simples e não deveria de ser complicado fazer. Os anos passam, muda-se o século, a população aumenta e as cidades desenvolvem. Mas falta mudar o básico da vida: a dignidade. E a dignidade de muitas mulheres é posta em causa em muitas nações. Nas menos desenvolvidas, mas não pensem que os países desenvolvidos escapam.

A violência, a falta de oportunidade e a ausência de direitos andam por aí. Não é justo, não é aceitável. É horrível e dá raiva. Os homens têm o seu respectivo valor e toda a gente o admite. Ora, qual é a diferença da mulher? Porque somos diferentes? Lá que somos especiais, somos, mas não somos diferentes e os direitos básicos são para todos. É nestes casos que a evolução da Humanidade não acompanha o que mais faz sentido e o que realmente deveria ser desenvolvido.

Falo pelas mulheres que não podem sair de casa e pelas mulheres que têm vergonha de passar por um grupo de rapazes que vão mandar "a boca".

Publicidade
Os melhores vídeos do dia

Falo pelas mulheres que sofrem na sua integridade mental e física. Falo pelas mulheres que não podem falar nem agir. Sei que muita gente está cansada de ouvir sempre mais do mesmo, mas é essencial não nos calarmos nunca. Temos o dever de nos fortalecer umas às outras e mudar o mundo. Afinal o que seria deles sem nós? Quem dá a vida? Quem tem aquele toque especial? Somos nós! Está na altura de sermos mais felizes e mais relaxadas. Porque eu também não me esqueço daquelas que se julgam a si e às outras.

Somos todas feitas da mesma beleza, somos todas poderosas. Não nascemos para agradar a ninguém, só a nós mesmas. Um espelho é um vidro, a autoconfiança é tudo!