Publicidade
Publicidade

É chocante o que este Governo autocrático quer fazer ao pequenos produtores e artesãos. Não percebo como se pode andar preocupado com os pequenos produtores agrícolas e artesãos, gente que luta e para ganhar uns míseros euros para a sua sopa, enquanto estes insensíveis legisladores, que não passam de uns oportunistas do momento, defendem as grandes superfícies. Quem tem pouco vai ficar sem nada, e quem tem muito, como os senhores donos dos hiper-mercados vai tirar o pão da boca a quem pouco tem.

Publicidade

Estamos a ficar um país sem cultura e costumes regionais. O que de melhor temos no país, mais puro, é levado por estes vampiros que sugam o sangue de quem trabalha com amor e carinho na sua horta.

Às vezes, ponho-me a pensar que o ponto a que chegou esta economia de mercado, não seria melhor voltarmos ao início do século vinte e fazer uma revolução bolchevista. Os grandes interesses económicos estão a acabar com as tradições seculares, e agora o governo lincha o que de melhor temos da terra, com a cumplicidade das autarquias, que não acredito que vão ir contra o seus municípios, até porque isso dá perda de votos nas urnas.

Quero crer que esta lei não vá para a frente, e que o primeiro ministro, venha a púbico justificar a razão desta lei. Até porque eu não acredito que tenha a coragem desta justificação absurda. O senhor Pires de Lima que tanto fala de economia, e de empreendorismo, que venha também ele, explicar as razões desta medida...

Os mercados tradicionais, e feiras típicas, são a alma de um povo, são histórias e lendas perdidas no tempo. A liberdade conquistada em abril está seriamente ameaçada, por estes engravatados que exploram o povo mais simples e singelo, que negam as suas origens, que levam para a miséria, que já pouco tem.

Publicidade
Os melhores vídeos do dia

Que mal tem eu pegar num molho de alface, ou uns ovos das minhas galinhas, ou uns paninhos bordados nas noites frias do inverno gélido, onde à lareira me aqueço, e vender o fruto do meu suor ao turista que tanto aprecia estas coisas, que lá nos centros cosmopolitas não consegue encontrar? Deixem o povo em paz, que ele não vos incomoda.