Existem dois mundos diferenciados pela condição elitizada da sociedade. Um é o da política e seus intervenientes e o outro é do cidadão comum, que se vê obrigado a aceitar as decisões do primeiro. Impõem-se as ideias políticas à consciência social de qualquer cidadão, e isso a História recente da nossa democracia tem comprovado. Nenhum primeiro-ministro até hoje cumpriu o essencial das suas promessas eleitorais, tendo quase sempre como desculpa para não as cumprir as heranças de governos anteriores.

Costumo dizer que "com o mal dos outros posso eu bem", difícil é cumprir o que se promete em campanha eleitoral, e nisso não poderei dizer bem da seriedade dos nossos governantes.

Quando tivermos um primeiro-ministro que tenha a coragem de ir contra todos os lobbies instalados na sociedade e olhar para o sofrimento do povo como se de um filho se tratasse, aí sim, teremos a sociedade a caminhar para um justo e solidário bem comum.

A vaidade é inimiga da competência, da justeza das afirmações com sentido social. A aldeia global portuguesa não seria difícil de gerir se o ser humano fosse o centro das atenções e não o sentido materialista das coisas. Antes de qualquer decisão que mexa com a vida das pessoas, os nossos governantes deviam pensar e refletir quanto mal podem fazer e como facilmente podem destruir a vida de uma família. Agora eu faço uma pergunta: Com que direito é que um governante tem mais regalias do que um cidadão comum ou funcionário do Estado? A igualdade de oportunidades está na Constituição e um membro da equipa de Governo não tem que ter regalias acrescidas.

Os melhores vídeos do dia

Está lá para trabalhar como qualquer cidadão comum. Mas motorista? Segurança? Casa paga pelos contribuintes? Mas o que é isto?

Os próprios governantes são os primeiros a fazer a diferença de classe, a discriminar o cidadão comum, a porem-se no alto do pedestal. É por estas e outras coisas que temos uma sociedade tão injusta e com falta de sentido social. No fundo, é a nova burguesia que nos está a governar e não os representantes do povo. Às vezes começo a pensar se na época de poucas novas tecnologias, como nos anos 80 do século passado, o país não seria mais feliz, mesmo não tendo tanta oferta de consumíveis.

Quando a democracia estabilizou, e caminhou-se para uma verdadeira representação parlamentar, sem ameaças do radicalismo de esquerda, Portugal seguiu normalizado para os dias de hoje, onde unicamente os partidos de direita e o partido socialista têm legitimidade parlamentar para gerir os destinos do país. Mas nos anos 90 do século passado, como já frisei atrás, o governo da altura dividiu o país como se de um tratado de Tordesilhas se tratasse.

Temos uma linha vertical que separa o país em duas partes distintas, uma ligada ao litoral, desenvolvida, e com excesso populacional, e outra parte, o interior, esquecida, abandonada à sua sorte, mas que as pessoas dessas terras fazem lutas titânicas para sobreviverem à desertificação.

Dar subsídios para não produzir não cabe na cabeça de ninguém. Não olhar ao real interesse das populações, já de si numa faixa etária avançada, e tirar-lhes serviços de saúde, serviços de utilidade pública, não tem perdão possível. A frieza com que as decisões são tomadas, sem olharem à condição humana, só pode ser uma monstruosidade de quem não tem o mínimo de sensibilidade. D. Afonso Henriques deve andar aos pulos no seu túmulo, de tanta negligência por parte dos nossos conterrâneos em Portugal.