Advertisement
Advertisement

Um agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) foi constituído arguido esta quinta-feira, 4 de Janeiro, na sequência da investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) no caso do assalto à carrinha de valores em Queluz ocorrido no passado dia 29 de Dezembro. O polícia em questão é o comandante do Grupo de Operações Especiais (GOE) que tinha por missão liderar a operação policial que visava capturar os alegados assaltantes da carrinha de valores.

Como tudo aconteceu

Tudo teve lugar no passado dia 29 de Dezembro, sexta-feira, quando, durante uma perseguição policial realizada por elementos do GOE, os três assaltantes de uma carrinha de valores foram interceptados pelas forças policiais numa barreira em Queluz de Baixo e não respeitaram a ordem de paragem dada pelas mesmas, tendo posteriormente abalroado a viatura policial.

Como um dos assaltantes se encontrava armado, tal como o Notícias ao Minuto avançou numa das suas últimas edições informativas, os agentes da PSP foram obrigados a disparar, acabando por ferir os suspeitos.

Advertisement

A própria Polícia de Segurança Pública (PSP) afirma que os motivos que levaram a Polícia Judiciária a constituir arguido o comandante do GOE ainda não são conhecidos.

Assaltante baleado e agentes da PSP feridos

Um dos assaltantes acabou por ser baleado na cabeça, tendo sido transferido para o Hospital São Francisco Xavier, onde ainda esteve em cuidados intensivos por algumas horas mas acabou por não resistir e faleceu no próprio dia.

Mas além dos três assaltantes que acabaram feridos, de igual forma três agentes policiais também ficaram feridos após o abalroamento propositado e intencional dos assaltantes.

Averiguações nas mãos da secção de homicídios da PJ

Cabe agora à secção de homicídios da Polícia Judiciária (PJ) a missão de averiguar tudo o que se passou para posteriormente decidir se existiu ou não excesso na forma de actuação dos agentes da PSP naquela operação policial em questão.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

Formas de actuação dos polícias e recurso às armas de fogo mais uma vez em causa

Novamente o condutor de uma viatura com três assaltantes no seu interior, durante uma perseguição policial, não respeitou a ordem policial para parar e ainda tentou de forma intencional abalroar a viatura policial ferindo três polícias. Mas, mais uma vez, é a forma de actuação das forças policiais e o recurso às armas de fogo que são colocadas em causa.