Foi em São João da Talha, Loures, que na semana passada aconteceram desacatos num centro de lavagens. Desacatos esses que tiveram o seu início logo após a chegada de uma patrulha da Policia de Segurança Pública (PSP) de Loures e acabaram mesmo com a detenção de dois homens.

Os agentes da PSP tinham sido chamados para uma ocorrência, em que alegadamente existiria uma discussão entre duas vizinhas. Uma delas acusava a outra de a ter ameaçado com uma faca e que tinha na sua posse uma pistola.

Após a chegada dos polícias ao local apareceram familiares de uma delas, o pai e um filho.

Logo ali os ânimos ficaram exaltados, e pai e filho prontamente se envolveram em confrontos violentos com os agentes da Polícia de Segurança Pública, tal como as câmaras de vigilância existentes no local confirmaram, conforme notícia avançada pelo Correio da Manhã. Existe mesmo um vídeo a circular pelas redes sociais como o Facebook, onde se pode ver a violência dos confrontos. No meio dos confrontos entre os dois homens e os polícias, encontrava-se uma criança.

Agressor acusa polícias de lhe apontarem arma e gás pimenta

Segundo informação avançada pelo Informa +, um dos detidos terá afirmado que um dos polícias lhe apontou uma arma e um colega do mesmo gás pimenta, e que por esse facto teve que se defender.

Entretanto, após os desacatos, dois agentes tiveram mesmo que receber tratamento médico, pelo que foram posteriormente transportados ao Hospital de Santa Maria em Lisboa.

Os detidos aguardam agora ida a presença de um juiz para primeiro interrogatório judicial e aplicação das respectivas medidas de coacção.

Polícias continuam a ser agredidos no cumprimento do dever

Este é apenas mais um caso de violência contra os polícias, igual a tantos outros, que infelizmente ocorrem em Portugal quase diariamente. Os elementos da forças de segurança continuam a ser agredidos sem qualquer razão durante o cumprimento do dever deles.

Os polícias apenas pretendem fazer o trabalho deles e nada mais, mas os transgressores não permitem, e tudo fazem para lhes complicar a vida, acabando muitas vezes por os agredirem violentamente.

No entanto, os agressores continuam a ficar impunes, sem serem castigados e punidos devidamente. Enquanto eles não começarem a ficar em prisão preventiva a aguardarem julgamentos, vão sentir-se protegidos, impunes, e vão continuar a agredir policias e outras pessoas mais.

E se ninguém os parar, eles cada serão cada vez mais violentos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo